Voltar para Ensino Graduação

CFB 007 – 2018.2

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA I – CFB 007 – 2018.2

 

HORÁRIO TURMA:  6as feiras, das 08:00 – 12:30 h

LOCAL: C1-007

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Alfred Sholl-Franco

PROFESSOR COLABORADOR: Débora Anjos

PROFESSOR EXTERNO: Gláucio Aranha barros (TJRJ)

IBCCF – SECRETERIA DA GRADUAÇÃO: SR. RICARDO MANOEL.

E-MAIL graduac@biof.ufrj.br (ou pelo Ramal 6524).

ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REALIZANDO CRÉDITO DIDÁTICO NA DISCIPLINA: Fabrício Bruno Cardoso (IBCCF/UFRJ), Aline Bernal (CMPDI/UFF), Nayla Schenka Ribeiro (CMPDI/UFF), Monica Oliveira (IBQM/UFRJ, Dio Pablo Alexandrino de Mattos (IBCCF/UFRJ).

EMENTA: Esta disciplina visa promover a interação entre os campos das neurociências e parasitologia através de atividades em ambientes formais e não–formais de ensino desenvolvidas pelos projetos de extensão “Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências” e “Construindo o Saber”, integrando curricularmente o ensino de graduação às atividades de extensão e pesquisa.  Serão estudadas as principais características da divulgação científica (DC), fornecendo um panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde, bem como os distintos atores envolvidos neste processo. Serão discutidos os desafios contemporâneos da DC, considerando vantagens e limitações dos distintos veículos e linguagens. A avaliação será através da produção de trabalhos de DC e participação em ações desenvolvidas em escolas e espaços não formais de ensino pelos projetos de extensão envolvidos na disciplina.

FREQÜÊNCIA:A presença é obrigatória em, pelo menos, 75% das atividades curriculares. Desta forma, o aluno que faltar a mais que 25% das aulas, poderá ser reprovado (Resolução CEG nº 15/71).

PROGRAMA DA DISCIPLINA:

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA
DATA

HORÁRIO

ASSUNTO

PROFESSOR

10/08

Feira

10:00-12:00 Aula 1 – Apresentação do Curso, dinâmica de atividades e o programa da disciplina. Creditação Curricular da Extensão no IBCCF e na UFRJ. Apresentação dos projetos: Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências Construindo o Saber Débora Anjos (08:00-12:30)

Alfred Sholl

(10:00-12:30)

17/08

Feira

08:00–12:30 Aula 2 – Características principais da divulgação científica. Técnicas específicas envolvidas em cada uma de suas formas (mídias utilizadas) de divulgação. Panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde. Débora Anjos (08:00-12:30)

Alfred Sholl

(10:00-12:30)

24/08

Feira

08:00–12:30 Aula 3 – Apresentação de oficinas e um treinamento para oficinas específicas. Atividades práticas utilizadas em oficinas dos projetos, cujos roteiros estão disponíveis no sitio www.cienciasecognicao.org/min. Débora Anjos

(08:00-12:30)

Alfred Sholl

(10:00-12:30)

31/08

6a Feira

08:00–18:00 Aula 4 – “Dia do Cérebro”- Colégio Cruzeiro   (Rua Carlos de Carvalho, 76 – Centro – Rio de Janeiro – RJ – CEP: 20230-180). Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Alfred Sholl

Débora Anjos

07/09 Feriado – Independência
14/09

Feira

08:00–12:30 Aula 5 – Comunicação, difusão e DC. Integração entre DC e pesquisa. Métodos para coleta de dados e avaliação. Uso de entrevista, questionários e escalas. Débora Anjos Gláucio Aranha

Alfred Sholl

21/09

6a Feira

08:00–18:00 Aula 6 – 21/09 : “Dia do Cérebro”- Escola Municipal Presidente Medici (Rua Tibagi, 316 – Bangu – Rio de Janeiro – RJ – CEP: 21820-270). Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Alfred Sholl

Débora Anjos

28/09

Feira

08:00–12:30 Aula 7 – Panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde.

Mídias digitais e redes sociais na DC. Ambientes de DC colaborativos.

Descrição e montagem de material de divulgação para divulgação online

Alfred Sholl

Débora Anjos

23/11

6a Feira

08:00–18:00 Aula 8 – “Dia do Cérebro”- Instituto Nacional de Educação de Surdos (R. das Laranjeiras, 232 – Laranjeiras, Rio de Janeiro – RJ, 22240-003 – CEP: 22240-003). Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Alfred Sholl

Débora Anjos

07/12

Feira

08:00–12:30 Aula 9 – Brainstorming para a X Semana do Cérebro 2019 e Entrega do relatório final da disciplina Alfred Sholl

Débora Anjos

Gláucio Aranha

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

  • Bauer, H. H. (1992). Scientific Literacy and the Myth of the Scientific Method. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.
  • Bauer, M. W.;Petkova, K.; Boyadjjewa, P. (2000). Public knowledge of and attitudes to science – alternative measures. Science, Technology & Human Values 25 (1):30-51.
  • Duarte, R. (2002). Pesquisa Qualitativa: Reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, n. 115, março, p. 139-154.
  • Cury, M.X. (2006) Exposição. Concepção, Montagem e Avaliação. AnnaBlume, São Paulo.
  • Fragel-Madeira, L.; Aranha, G. (2010). Divulgação e alfabetização científica: o papel do pesquisador na difusão do conhecimento científico. In: Caminhos da Neuroeducação. Aranha, G.; Sholl-Franco, A. (Org.). (PP. 119-128). Rio de Janeiro: Ciências e Cognição.
  • Godin, B., & Gingras, Y. (2000). What is scientific and technological culture and how is it measured? A multidimensional model. Public Understanding of Science, 9(1), 43-58.
  • Kallerud, E.; Ramburg, I. (2002). The order of discourse in surveys of public understanding of science. Public Understanding of Science 11 (3):213-224.
  • EUSCEA. (2005). White book on Science Communication Events in Europe.
  • Massarani, L.; Turney, J.; Moreira, I. (2005). Terra Incógnita – a interface entre ciência e público. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, Museu da Vida e Vieira & Lent.
  • Ministério da Ciência e Tecnologia e Museu da Vida. (2007) – Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil. Disponível em http://www.museudavida.fiocruz.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=985&sid=201
  • Sholl-Franco, A.; Assis, T.; Marra, C. (2012). Neuroeducação: caminhos e desafios. In: Caminhos da Neuroeducação. Aranha, G.;Sholl-Franco, A. (Org.). 2a. Edicação (PP.9-22). Rio de Janeiro: Ciências e Cognição.
  • Sholl-Franco, A.; Barreto, T.M.; Assis, T.S. (2014). Neuroeducação e Inteligência: Como as Artes e a Atividade Física Podem Contribuir para a Melhora Cognitiva. In: Virgulin, A.M.R.; Konkiewitz, E.K. (Org.) Altas Habilidades/Superdotação, Inteligência e Criatividade. (pp. 139-160). Campinas (SP): Papirus Editora.
  • Studart, D.C. (2005). Museus e famílias: percepções e comportamentos de crianças e seus familiares em exposições para o público infantil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.12 (suplemento), p. 55 -77.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

  • Corew, T. J. & Magsmen, S. H.. 2010. Neuroscience and Education: An Ideal Partnership for Producing Evidence Based Solutions to Guide 21st Century Learning . Neuron, 67 (5): 685-8.
  • Fischer, K.W., Immordino-Yang, M.H., & Waber, D. (2007).  Toward a grounded synthesis of mind, brain, and education for reading disorders: An introduction to the field and this book.  In: K.W. Fischer, J.H. Bernstein, & M.H. Immordino-Yang (Eds.), Mind, Brain and Education in Reading Disorders, (pp. 3-15).  Cambridge, U.K.: Cambridge University Press.
  • Geake, J. (2008). Neuromythologies in education. Educ. Res. 50, 123–133.
  • Pickering, S. J. & Howard-Jones, P. (2007). Educators’ views on the role of neuroscience in education: findings from a study of UK and international perspectives. Mind Brain Educ. 1, 109–113.
  • Hook, C., and Farah, M. (2012). Neuroscience for educators: what are they seeking, and what are they finding? Neuroethics. doi: 10.1007/s12152-012-9159-3

REVISÃO DE PROVAS: O aluno poderá requerer a revisão de prova no prazo de até 48 horas, a partir da data de divulgação das notas (Resolução CEG nº 4/96). O pedido de revisão deve ser feito na Secretaria de Graduação de Biofísica (Sala G1-002), no horário de 08h as 14h00. As notas serão afixadas no quadro de avisos referentes à Disciplina, situado no corredor do Bloco “C” e no site do Instituto de Biofísica (www.biof.ufrj.br/graduacao/disciplinas-em-outros-cursos).

2ª CHAMADA: O aluno que não comparecer a qualquer uma das provas poderá recorrer a 2ª CHAMADA dentro do prazo de 72 horas (a partir da data da realização da prova), apresentando ATESTADO MÉDICO que comprove realmente que o(a) solicitante esteja acometido(a) de doença infecto contagiosa ou no último período de gestação. Somente serão consideradas as solicitações plenamente justificadas. O requerimento de 2ª chamada deve ser feito na Secretaria de Graduação de Biofísica (Sala G1-002), no horário de 08h as 14h00.

Link permanente para este artigo: http://cienciasecognicao.org/cecnudcen/?page_id=747