↑ Retornar para Ensino Pós-Graduação

Imprimir Página

BFB 842 – 2018.1

BFB 842 – COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Docente Responsável:

  • Alfred Sholl Franco (IBCCF/UFRJ)

Docentes Colaboradores:

  • Alfred Sholl Franco (IBCCF/UFRJ)

  • Débora Henrique da Silva Anjos (IBCCF/UFRJ)

  • Gláucio Aranha (TJRJ, OCC)

Ementa

Nesta  disciplina serão estudadas as características da comunicação e divulgação científica (CC e DC), as técnicas e linguagens específicas utilizadas nos diferentes veículos (mídias utilizadas) de divulgação. Serão abordados mecanismos tradicionais e as novas tecnologias de comunicação e informação, assim como o uso de transmídia na CC e DC. Assim, sera fornecido um panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação de C & T (TV, rádio, jornais diários, revistas especializadas e não-especializadas em CC e DC, centros e museus de ciência, Internet, eventos de rua, escolas, exposições etc.), bem como os distintos atores envolvidos no processo. Serão discutidos os desafios contemporâneos da CC e DC, considerando vantagens e limitações dos distintos veículos e linguagens, assim como os processos de integração entre CC/DC, pesquisa e ensino. Serão discutidos os métodos e técnicas para coleta e avaliação de dados em DC e o uso de ambientes colaborativos. A avaliação será através da produção de trabalhos de CC e DC em diferentes formas após a definição de grupos de trabalho nos projetos de extensão envolvidos na disciplina. Com a produção e veiculação dos materiais produzidos pretende-se alcançar os objetivos da CC e DC, tais como diminuir a distância entre ciência e tecnologia e a comunidade. Alem disso, pretende-se ampliar o acesso ao conhecimento científico e tecnológico pela população, desenvolvendo e aperfeiçoando seu senso crítico diante da grande quantidade de informações surgidas diariamente. Outrossim, esta disciplina visa ampliar a formação acadêmica dos alunos participantes através da elaboração das atividades sugeridas e das discussões realizadas em espaços formais e não-formais de ensino. As aulas práticas estão relacionadas ao desenvolvimento de projetos de extensão (Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências; Construindo o Saber) credenciados junto à pró-reitoria de extensão, os quais envolvem oficinas práticas e o desenvolvimento de produtos científicos, artísticos e educacionais nas áreas biológicas, tecnológicas e humanísticas com o objetivo de integrar curricularmente o ensino de pós-graduação e pesquisa às atividades de extensão.

Material Didático (Arquivo em formato Acrobat)

Programa

DATA HORÁRIO ASSUNTO
02/03

Feira

09:00-12:00 Aula 1 – Apresentação do Curso, dinâmica de atividades e o programa da disciplina. Distribuição de artigos e de atividades. Apresentação dos projetos: Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências; Construindo o Saber
09/03

Feira

09:00-12:00 Aula 2 – Divisão de atividades de Divulgação Científica para a IX Semana do Cérebro: Envelhecimento e o Cérebro. Será realizada uma avaliação de conhecimentos e um treinamento para oficinas específicas. Os alunos da disciplina deverão fazer inscrição para participar da Semana do Cérebro através do link https://doity.com.br/curso-de-formacao-de-monitores-ix-semana-do-cerebro. Os alunos ficam dispensados de participarem do curso de formação de mediadores. Mais informações sobre o evento Semana do Cérebro e o Curso podem ser obtidas no sitio http://cienciasecognicao.org/semana_do_cerebro/.
16/03

Feira

08:00–12:30

ou

13:00–18:00

Aula 3 – Museu Itinerante de Neurociências e Construindo o Saber durante a Semana do Cérebro.

São DUAS opções para escolha do horário de participação. É necessária a escolha de UM período para cumprir a aula proposta:

– 16/03: Atividades no Campus da Ilha do Fundão (UFRJ), na área do Hall do Anfiteatro Quinhentão, Bloco K, Centro de Ciências da Saúde (Rio de Janeiro).

23/03

Feira

09:00–12:00

(NNOTEM)

Aula 4 – Roteirização de conteúdo audiovisual e pesquisa em DC (Grupo Focal). Introdução à produção de material audiovisual (pré-produção, produção e pós-produção) e aula prática sobre metodologia de pesquisa em DC com realização de Grupo Focal.
30/03   Feriado Paixão de Cristo
06/04

Feira

08:00–12:00 Aula 5 – Características principais da divulgação científica. Técnicas específicas envolvidas em cada uma de suas formas (mídias utilizadas) de divulgação. Panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde.
13/04

Feira

08:00–12:00 Aula 6 – Comunicação, difusão e DC. Integração entre DC e pesquisa. Métodos para coleta de dados e avaliação. Uso de entrevista, questionários e escalas.
20/04

Feira

08:00–12:00 Aula 7 – Panorama geral sobre as distintas linguagens e veículos utilizados na divulgação da ciência, da tecnologia e da saúde.

Mídias digitais e redes sociais na DC. Ambientes de DC colaborativos.

Descrição e montagem de material de divulgação para divulgação online.

27/04

6a Feira

08:00–18:00 Aula 8 – Atividade Externa: Colégio Estadual Professora Maria Terezinha de Carvalho Machado (Rua Cândido Benício, 826 – Campinho – Rio de Janeiro – RJ – CEP: 21320-060).

Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Inscrições pelo sitio: https://www.doity.com.br/dia-do-cerebro-colegio-estadual-prof-maria-terezinha-de-carvalho-machado.

11/05

6a Feira

09:00–12:00

(NNOTEM)

Aula 9 – Analise de Grupo Focal e aula prática de produção audiovisual. Produção de material audiovisual.
18/05

6a Feira

08:00–18:00 Aula 10 – Atividade Externa: CIEP 450 – Emiliano Di Cavalcanti (Estrada Caetano Monteiro s/n – Badu – Niterói – RJ – CEP: 24320-570). Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Inscrições pelo sitio:  https://www.doity.com.br/dia-do-cerebro-ciep-450-emiliano-di-cavalcanti.
25/05

6a Feira

09:00–12:00

(NNOTEM)

Aula 11 – Produção de Material audiovisual e analise critica de pesquisa qualitativa (pesquisa de opinião e satisfação).
01/06   Recesso depois do feriado de Corpus Christi
08/06

6a Feira

09:00–12:00

(NNOTEM)

Aula 12 – Produção de Material audiovisual.
15/06

6a Feira

09:00–12:00

(NNOTEM)

Aula 13 – Novas formas de produção audiovisual. Mokumentário, Docudrama e outras formas de produção. Técnica de pesquisa-ação. Apresentação do material produzido pelos alunos.
22/06

6a Feira

08:00–18:00 Aula 14 – Atividade Externa: Escola Municipal Presidente Medici (Rua Tibagi, 316 – Bangu – Rio de Janeiro – RJ – CEP: 21820-270). Será disponibilizado ônibus para transporte de ida e volta da escola e a confirmação de participação deverá ser feita através do site Doity, cujo link está disponível na página da visitação. Inscrições pelo sitio:  https://www.doity.com.br/dia-do-cerebro-escola-municipal-presidente-medici.

 

Bibliografia Básica

  • ARANHA, G.; CHICHIERCHIO, M.; SHOLL-FRANCO, A. (2015). A divulgação científica como instrumento de desmitificação e conscientização pública sobre neurociências. In: EKUNI, R.; ZEGGIO, L.; BUENO, O.F.A. (Org.) Caçadores de Neuromitos (pp. 204-220). São Paulo (SP): Memnon.

  • ARANHA, G.; SHOLL-FRANCO, A. (2012a). Evolução e Adaptação nos Sistemas da Escritura: Narrativa Transmídia e Cognição. In: KIRCHOF, E. (Org.). Novos Horizontes para a Teoria da Literatura e das Mídias (pp. 93-105). Porto Alegre: ULBRA.

  • ARANHA, G.; SSHOLL-FRANCO, A. (2012b). (Org.) Caminhos da Neuroeducação. 2a Ed. Rio de Janeiro: Ciências e Cognição.

  • BAUER, H.H. (1992). Scientific literacy and the myth of the scientific method. Chicago: University of Illinois Press.

  • BAUER, M.W. & SCHOON, I. (1993). Mapping variety in public understanding of science. Science, 2 (2): 141-155.

  • BAUER, M.W.; PETKOVA, K. & BOYADJJEWA, P. (2000). Public knowledge of and attitudes to science – alternative measures. Science, Technology & Human Values, 25 (1): 30-51.

  • DUARTE, R. (2002). Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, 115: 139-154.

  • CAZELLI, S. (2005). Ciência, cultura, museus, jovens e escolas: quais as relações? Tese de Doutorado em Educação Brasileira – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro.\

  • COLLINS, H.M. & PINCH, T. (1993). The golem: what everyone should know about science. Cambridge/New York: Cambridge University Press.

  • CURY, M.X. (2006). Exposição. Concepção, Montagem e Avaliação. São Paulo: AnnaBlume.

  • FRAGEL-MADEIRA, L. & ARANHA, G. (2010). Divulgação e alfabetização científica: o papel do pesquisador na difusão do conhecimento científico. Em: Caminhos da Neuroeducação. Aranha, G. & Sholl-Franco, A. (Org.). (pp. 119-128). Rio de Janeiro: Ciências e Cognição.

  • GODIN, B. & GINGRAS, Y. (2000). What is scientific and technological culture and how is it measured? A multidimensional model. Public Understanding of Science, 9 (1): 43-58.

  • GOODY, J. (1987). A lógica da escrita e a organização da sociedade. Lisboa: Edições 70.

  • GREGORY, J. & MILLER, S. (1998). Science in public: communication, culture, and credibility. New York: Plenum.

  • HOWARD-JONES, P. (2010). Introducing Neuroeducational Research: Neuroscience, Education and the Brain from Contexts to Practice. Abingdon: Routledge.

  • IRWIN, A. & WYNNE, B. (Eds.). (1996). Misunderstanding science? The public reconstruction of science and technology. Cambridge: Cambridge University Press.

  • LEWENSTEIN, B. (1992). When science meets the public. Washington: American Association for the Advancement of Science.

  • EUSCEA. (2005). White book on science communication events in Europe. 2005.

  • MASSARANI, L.; TURNEY, J. & MOREIRA, I. (2005). Terra Incógnita – a interface entre ciência e público. Rio de Janeiro: Vieira & Lent.

  • MILLER, J.D. (1992). Toward a scientific understanding of the public understanding of science and technology. Public Understanding of Science, 1 (1):23-26.

  • Ministério da Ciência e Tecnologia e Museu da Vida. (2007). Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil. Disponível em http://www.museudavida.fiocruz.br/publique/ cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=985&sid=201.

  • Observatório de museus e centros culturais. (2006). Boletim I, Ano 01, Agosto. Pesquisa Piloto Perfil-Opinião 2005: Onze Museus e Seus Visitantes. COC/Fiocruz –DEMU/IPHAN. Rio de Janeiro.

  • SHEN, B.S.P. (1975). Science literacy and the public understanding of science. Em: S. Day (Ed.), Communication of Scientific Information (pp. 44-52). Basel: Karger.

  • SHOLL-FRANCO, A.; MIGUEL, A.C.; GUEDES, S. (2014). Desenhando Emoções. Rio de Janeiro/RJ: Ciências e Cognição.

  • SHOLL-FRANCO, A.; BARRETO, T.M.; ASSIS, T. S. (2014). Neuroeducação e Inteligência: Como as Artes e a Atividade Física Podem Contribuir para a Melhora Cognitiva. In: Virgulin, A.M.R. & Konkiewitz, E.K. (Org.) Altas Habilidades/Superdotação, Inteligência e Criatividade. (pp. 139-160). Campinas (SP): Papirus Editora.

  • SHOLL-FRANCO, A.; ARANHA, G. (2015). Tecnologia para Aprender. Revista Neuroeducação, 4: 42-49.

  • SHOLL-FRANCO, A. (2015). Ponto de Vista: Deturpações e Oportunismos. Revista Neuroeducação, 3: 66.

  • STUDART, D.C. (2005). Museus e famílias: percepções e comportamentos de crianças e seus familiares em exposições para o público infantil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 12 (suplemento): 55 -77.

  • WYNNE, B. (1995). Public understanding of science. Em: Jasanoff, S.; Markle, G. E.; Petersen, J.C. & Pinch, T. (Eds.) Handbook of science and technology studies (pp. 361-388). Thousand Oaks (CA/USA): Sage.

Link permanente para este artigo: http://cienciasecognicao.org/cecnudcen/?page_id=804