O que dirão da nossa época os nossos sucessores daqui a 200 anos? – por Elisabete Castelon Konkiewitz

O que dirão da nossa época os nossos sucessores daqui a 200 anos? Como nosso século será visto à distância? É certo que vivemos grandes avanços tecnológicos. É certo que temos mais conforto e mais possibilidades de ação, como viagens, alcance de conhecimento, mobilidade social, expressão sexual. Por outro lado, é certo também que vivemos um período de antecipação dolorosa, maus presságios e ameaças em toda parte: catástrofes ambientais, terceira guerra mundial iminente, migrações em massa, nações sendo destruídas, terrorismo, crises econômicas, oscilações do mercado internacional, tráfico, violência urbana. Tudo é capturado por câmaras distribuídas em toda parte, tudo é colocado nas redes sociais, muitas informações, contínuas, alucinantes.

Sim, a nossa época é alucinante e caótica. O sentimento dominante é o medo. Nunca o homem sentiu tão claramente a transitoriedade dos fatos, a instabilidade das situações e dos vínculos, a incerteza da sua posição no mundo.

Há também várias contradições que marcam este século: vários processos de trabalho se tornaram mais rápidos e substituíram a mão-de obra humana, mas nunca tivemos menos tempo e tanta pressa. Há sofisticados mecanismos de segurança nas casas, nas lojas, nas ruas, em todo lugar, mas nunca nos sentimos tão vulneráveis à violência. Há fontes de informação em todo canto, tudo está acessível online e, no entanto, nos sentimos desinformados, sem conhecimento suficiente, mesmo em nossas áreas de atuação. A tecnologia permitiu um aumento gigantesco na produtividade agrícola, porém a fome no mundo aumentou.

Um dos resultados desta situação se reflete no perfil de adoecimento das pessoas. A depressão e a ansiedade nas suas variações, como ataques de pânico, insônia, fobias, mas também a obesidade, a hipertensão, o diabetes, as doenças inflamatórias, as alergias são exemplos de males da nossa civilização, todos de algum modo relacionados ao stress. Sim, de fato, o stress altera o metabolismo em todo o corpo, colocando-nos num estado de alarme contínuo. Sempre preparados para reagir, para mudar o que for necessário à nossa sobrevivência. Assim acumulamos mais tecido adiposo, sentimos mais fome, procuramos alimentos mais calóricos, não “desligamos” nunca. Chegamos ao ponto de precisar de substâncias que nos acalmem, nos possibilitem dormir e nos tirem o pavor e a angústia. O stress também altera os nossos mecanismos de defesa imunológica, fazendo com que agentes inofensivos sejam interpretados como ameaça (alergias, asma), ou mesmo que elementos constitucionais do corpo deixem de ser reconhecidos como próprios (doenças autoimunes, como artrite reumatoide e lúpus). O stress também prejudica a função de vigília do sistema imune, aumentando o risco de infecções e até do desenvolvimento de células cancerígenas.

Talvez a maior contradição do homem do século XXI esteja na disparidade entre o seu progresso tecnológico e a sua imaturidade psicológica, a incapacidade de auto-controle diante de situações difíceis. O fato é que, ao longo dos últimos 10.000 anos, o cérebro humano praticamente não mudou, porém o número e a complexidade de informações que ele deve manipular aumentou mais que exponencialmente! Montamos um circo tão estrambótico que nos confundimos e nos esgotamos dentro dele.

Em meio a esta sobrecarga neurobiológica- cognitiva e emocional- surgem globalmente vários movimentos que propõem um caminho diferente: a arquitetura ecológica, a agricultura orgânica familiar, a valorização da arte e dos saberes regionais, o vegetarianismo, enfim, a busca da simplicidade e da autenticidade, a busca por produtos mais humanos e menos “plastificados”, a busca de uma forma de vida que aproxime as pessoas e se integre mais à natureza. Neste contexto, emergem as filosofias orientais no Ocidente, dentre elas o Yoga. Na verdade, Yoga não é a realização de movimentos lentos acompanhados de respiração rítmica. Yoga é uma forma de vida que vai pouco a pouco reabrindo a via de conexão com o nosso corpo e a nossa mente. A interiorização e o silêncio vão desenvolvendo em nós capacidades esquecidas que nos ajudam a nos estabilizar. Aprendemos a permanecer em repouso ainda que em movimento. Não ficamos tão vulneráveis às oscilações ao nosso redor, realizamos nossas escolhas de acordo com os nossos sinais internos, não reagimos aos estímulos, às provocações e às ameaças o tempo todo. Encontramos algo em nós que simplesmente é e que permanece sempre. Por isso, não há perigo. A mente se acalma e se fortalece. Esta é a meta.

Ainda que o caminho seja longo, ele já é em si mesmo benéfico, ou seja, embora o alcance da estabilidade mental exija longos anos, a incorporação do Yoga nas nossas vidas já nos leva a uma outra dimensão. A perspectiva sobre a realidade cotidiana vai se modificando à medida que o foco se dirige para os processos interiores do corpo e da mente. Esta mudança também leva a uma reconexão com elementos da natureza e ao respeito pela mesma como parte da manifestação divina: a terra, as diversas formas da água, os ciclos da lua, o sol, o vento, as árvores, os animais deixam de ser fonte de recursos e matéria-prima e passam a ser nosso deleite.

O medo, que nos predispõe a reações violentas- atos, palavras e até mesmo pensamentos carregados de agressividade-, cede espaço à satisfação- uma sensação de harmonia e de segurança interior. Isto não é resignação e passividade. Isto é agir com reflexão, tomar as atitudes justas e não ficar apreensivo pelos seus resultados. A saúde é promovida de várias formas: mais atenção aos sinais do corpo, mais atenção ao que se come, ao que se diz, ao que se pensa, maior valorização do tempo como oportunidade de serenidade e paz e não apenas como algo que deve ser aproveitado de forma otimizada.

A prática do Yoga não tem idade e não tem contraindicações. Mesmo quando realizada em grupo, é uma prática individualizada, posturas são adaptadas para a condição física de cada um.

O Yoga já vem sendo inserido em escolas, que sabidamente constituem ambientes muito difíceis, pois refletem em lentes de aumento todos os problemas sociais, como hiperestimulação, sobrecarga, ansiedade, exclusão, insegurança, violência. Aqui as repercussões da prática do Yoga são impressionantes, justamente por ser a infância um período de formação, no qual tudo é assimilado de forma mais intensa e mais rápida. Ocorre melhora da concentração, do aprendizado, redução da ansiedade e principalmente reluz a esperança de que com isso estamos contribuindo para que o homem de daqui a duzentos anos esteja bem e possa nos olhar com misericórdia e, quem sabe, gratidão.

 

Yogacharya Tonmoy Shome

Yogacharya Tonmoy Shome

Imersão em Yoga Tradicional-método Loknath-com Yogacharya Tonmoy Shome, em dourados-MS, de 08 a 10 de janeiro de 2016

O Yogacharya Tonmoy Shome é um mestre indiano que pratica há mais de 30 anos não somente Hatha Yoga, mas a Sadhana em seu sentido mais verdadeiro de busca de desenvolvimento espiritual e sabedoria. Ele nos traz uma nova e deslumbrante perspectiva de nós mesmos, das nossas vidas e do nosso papel no cosmos como um todo. Ele nos conduz para o desenvolvimento da capacidade de acalmar e controlar a própria mente, de ouvir a voz interior e de estar ativo, permanecendo em quietude. Leia mais sobre este grande Yogi (http://www.loknathyoga.com/-yogacharya-tonmoy-shome-yogiraj.html).

A imersão será oferecida entre os dias 08 e 10 de janeiro de 2016. Os participantes estão convidados a pernoitar no local, aproveitando os momentos de comunhão com o mestre e aprofundamento da vivência através de cânticos de mantras, bhajans e orações.
Haverá também a possibilidade de voltar para a casa durante a noite, realizando a imersão durante todo o dia, iniciando a vivência de Yoga Sadhana pela manhã (entre 6:00 e 6.30) e encerrando-a ao final da tarde (17:30 ou 18:30).

Programação:
06:00 horas: Oração– Canto de Mantras
06:15 hrs: Meditação
06:35 hrs: Kriyas e Pranayama
07:20 hrs: Saudação ao Sol com Mantra
08:30 hrs: Desjejum
09:30 hrs: Classe Teórica de Escrituras: Yoga Sutra de Patanjali, Bhagavad Gita, outros.
11:30 hrs: Prática de Ásanas
13:30 hrs: Almoço
13:30-15:30-pausa
15:30 hrs: Teoria da real da Anatomía Sutil com o corpo Físico
17:00 hrs: Pranayama, Sahaja Pranayama
18:30 hrs: canto de mantra, meditação, cerimonia do Fogo
19:30 hrs: jantar
21:00 hrs: Canto de mantra e Kirtan
21:50 hrs: Meditação individual durante 5 minutos antes de adormecer.

Haverá certificado?
Após a imersão os participantes receberão um certificado de 36 horas, sendo que já são válidas como pontuação para a aquisição do certificado de instrutor de yoga (reconhecido internacionalmente (Yoga Alliance-USA).

O que é Loknath Yoga?
Loknath Yoga é uma forma tradicional de prática, que permite às pessoas do Ocidente adentrar no sistema milenar do Yoga indiano e obter nele o máximo de benefícios à saúde, à mente e ao espírito. O método Loknath é baseado no “Ashtanga Yoga” (Yoga de oito membros) de acordo com os ‘Yoga Sutras,’ do grande Rishi (santo) Patanjali e o combina com o conceito de “Vedanta Sadhana” (caminho dos quatro membros) .
Foi praticado e desenvolvido pelo grande Yogui Sri Loknath Brahmachari (1730 – 1890), que praticou por décadas todas as etapas do Yoga Sadhana e alcançou o nível mais elevado possível a um corpo humano.
Mais tarde, este valioso sistema tradicional yóguico (Loknath Yoga) desenvolveu-se sob a orientação espiritual do Mahayogi Sri Thakur Janakinnath Brahmachari, seguindo a senda espiritual de Sri Loknath Brahmachari no Loknath Instituto de Yoga da Índia, que está sob Sri Sri Baba Janakinath Seva Trust e Loknath Brahmachari Mahamondal Ashram, Muragacha, PO-Jugberia, 24 Págs. Norte, Bengala Occidental, India.
“O sistema Yóguico Loknath” dá enfase à respiração yóguica adequada (Pranayama), ao enfoque suave e individualizado das posturas de yoga (ásanas), à compreensão do verdadeiro significado das mesmas, aos mudras (Hsatha, Kaya, Mana, Adhara etc.), aos bandhas (selos, ou fechamentos), aos Kriyas (técnicas de purificação, ou Shat Karma). Além disso, são inseridas ao modo de vida yoguico técnicas de concentração, de meditação e a dieta vegetariana yoguica.

Quem pode participar da imersão em Yoga Tradicional Loknath?
Qualquer pessoa que esteja interessada no método de Yoga Tradicional Loknath. Novos praticantes também são bem vindos. Não há pré-requisitos.

Investimento: BR$900,00 (MOEDA: REAIS) à vista, no momento da inscrição

Como chegar?
Dourados é uma cidade de cerca de 200.000 habitantes no sul do Mato Grosso do Sul a 220 km de Campo Grande e a 120 Km da fronteira com o Paraguai. Dourados conta com um aeroporto que tem vôos com conexão para São Paulo, Campinas, Brasília e outras cidades.
Os praticantes que vierem de avião poderão ser esperados no aeroporto (por favor, avisar, caso seja desejado).

O que trazer?
Tapete para a prática de yoga, toalha de rosto, garrafinha de água, objetos de higiene pessoal (sabonete, pasta e escova de dentes, etc), roupas confortáveis para a prática, repelente, protetor solar.

Não deixe de vir! Será uma vivência única: O início de um recomeço interior!

Contato para inscrição e informações:
loknathyogadourados@gmail.com

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *