Por que a dor neuropática é mais comum no idoso? Alterações associadas à idade predispondo à neuroplasticidade mal adaptativa, por Elisabete Castelon Konkiewitz e Edward Benjamin Ziff

dor1Neurociências • Volume 8 • Nº 4 • outubro/dezembro de 2012-Editora Atlântica

Resumo
A dor neuropática é uma forma de dor patológica grave, muitas vezes incapacitante e de difícil tratamento,
resultando da neuroplasticidade mal adaptativa do sistema nervoso central (SNC) e periférico (SNP) como
conseqüência de sua lesão, ou disfunção. Apesar da alta prevalência na população geral (8-10%), sua
fisiopatologia ainda é pouco compreendida. Também não está claro porque indivíduos idosos apresentam
maior risco de desenvolver dor neuropática após lesão periférica. Este artigo é a primeira parte de uma
série discute a hipótese de que este fato se relacione, ao menos parcialmente, com as alterações associadas ao envelhecimento normal, que predispõem à resposta mal adaptativa à injúria. São apresentadas
evidências de que o envelhecimento se associa à neuroinflamação, à pior resposta aos opióides e a
mudanças nas vias de modulação descendente da dor.
Palavras-chave: dor neuropática, neuroinflamação, opióides, bulbo rostroventral, idoso.
Elisabete Castelon Konkiewitz- Médica neurologista e psiquiatra, professora adjunta da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Grande Dourados

Edward Ziff- Professor de Bioquímica e Farmacologia Molecular e Neurociências na Universidade de Nova York, Laboratório de Neurobiologia Molecular

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *