Alterações cognitivas e psiquiátricas na epilepsia mesial temporal: um sério problema pouco estudado, dia 06 de outubro de 2017, horário: 8h30- 9h00 Palestrante: Profa. Dra. Elisabete Castelon Konkiewitz (UFGD)

A epilepsia mesial temporal (EMT) é uma forma de epilepsia focal, sendo a forma mais comum de epilepsia refratária. Caracteriza-se por crises convulsivas que se originam em estruturas límbicas, ou seja, no hipocampo, no giro para-hipocampal e na amígdala, podendo estar presente em 70-80% dos pacientes que apresentam epilepsia do lobo temporal.

A EMT refratária afeta, ao longo de sua evolução, vários domínios do funcionamento cognitivo, parecendo estar associada com uma deterioração cognitiva lenta, porém contínua. Na percepção dos pacientes, a memória é o domínio mais afetado, mas eles também se queixam com frequência de capacidade de atenção reduzida, lentificação cognitiva e dificuldade de expressão verbal. Inúmeros estudos estabeleceram, por meio de testes neuropsicológicos, disfunções nos domínios da memória, do funcionamento executivo, da linguagem, da cognição emocional e da cognição social. Todavia, a base neurobiológica destes déficits continua pouco compreendida.

Transtornos psiquiátricos são também comuns nos pacientes com EMT, sendo a depressão o transtorno mais frequente, com uma prevalência de 50-60%. Taxas de comportamento suicida em pacientes com EMT podem chegar a ser 25 vezes mais elevadas que na população geral.

Seriam os sintomas cognitivos, afetivos e comportamentais apenas comorbidades da EMT, ou seriam eles parte do mesmo espectro sindrômico, compartilhando substratos genéticos e fisiopatológicos com as crises epilépticas?

Alterações cognitivas e psiquiátricas na epilepsia mesial temporal: um sério problema pouco estudado
Horário: 8h30-9h00
Palestrante: Profa. Dra. Elisabete Castelon Konkiewitz (UFGD)

 

Elisabete Castelon Konkiewitz é médica graduada pela UNIFESP, em 1993, e doutora em Neurologia pela Technische Universität München-Alemanha, em 2002. Possui o título de especialista em Neurologia pela Academia Brasileira de Neurologia e o título de especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Desde 2008 atua como docente na Faculdade de Ciências da Saúde (Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD), no cargo de professora associada.Foi docente na Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) e na Universidade de Marília (UNIMAR). Docente em cursos de pós-graduação nas áreas de Saúde e Educação. Tem experiência nas áreas de transtornos de aprendizado, neurocognição,aspectos neuropsiquiátricos na infecção pelo HIV. Elisabete mora em Dourados, MS, é praticante de yoga e mãe de dois filhos, Marcelo e Lucas Maurício.

IV International Grand Dourados Neuroscience Symposium-October, 4th-7th, 2017-http://neurocienciasdourados.com.br/index.html

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *