ago 22 2018

Espectro do autismo: parte 2- como sua mente funciona: orientações para pais e professores- por Elisabete Castelon Konkiewitz

A Profa Dra Elisabete Castelon Konkiewitz explica a diferença entre autismo e transtorno de conduta, transtorno de personalidade anti-social e transtorno de vínculo. Também são expostos modelos cognitivos que tentam explicar o funcionamento da mente autista.

Link permanente para este artigo: http://cienciasecognicao.org/neuroemdebate/?p=4300

1 comentário

  1. Maravilhoso!
    Dra.Elisabeth, bom dia!

    Eu tenho uma teoria de que existe uma forma de desenvolvimento da Linguagem falada de forma concreta, que possibilita desenvolvimento dos neurônios em suas várias áreas de desenvolvimento, com a ativação das sinapses neurais, dos que estão adormecidos para as questões cognitivas, principalmente no trato social do desenvolvimento do ser.
    Imagino que, como propõe vários educadores, a interação do ser humano no meio em que vive…digo família/escola/comunidade, acaba fazendo com que através da observação exista o amadurecimento de comportamento através dos vários conhecimentos adquiridos ao longo desse processo.
    Digo que podemos experimentar todo esse processo da mesma forma que ensinamos e ajudamos uma criança a começar a andar, processo fundamental para o início que organização de idéias dos pequeninos, ensinando também de forma concreta o desenvolvimento da linguagem…
    Posso afirmar que com os meus filhos e algumas outras pessoas, esse fato experimental, me mostrou em crianças aparentemente saudáveis e com o desenvolvimento de acordo com o que se espera dentro da idade cronológica, respostas altamente positivas, dando oportunidade de se ter inclusive um diagnóstico precoce em relação às necessidades de ajuda, com especialistas da área da saúde!
    Proponho um estudo sobre o assunto, já que sabemos há muitos anos que as vibrações, podem ser percebidas pelos seres humanos através de sinestesia!
    Sera muito bom ver uma criança como o meu sobrinho Gabriel Proença, que aos 8 meses gritava como se não ouvisse…Era agressivo, dormia pouco, não conseguia ser entendido…não articulava de forma coerente o aparelho fonador…
    Meu irmão o levou ao Neurologista que lhe tratou com um medicamento e hoje com 5 anos é um dos melhores alunos de sua turminha…Uma graça…Inteligente, saudável e carinhoso!
    Posso dizer que ele é o fruto de uma atenção de seus pais que o levaram ao especialista ,antes do rompimento de suas sinapses neurais começarem a se romper!
    Nesse caso, a meu ver, por falta de um atendimento adequado,tenderíamos a ter uma criança incapacitada e com alguns sintomas adquiridos com características autistas.
    Com todo respeito ao belo trabalho desenvolvido e que está em andamento, o que a Dra. pode me dizer caso seja da sua área?

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.