jun 09 2013

Neuroestética aplicada à música: a apreciação da arte corresponde a princípios de organização neurobiológica: parte 1-por Bianca Diana Alves, Nathaly Marianne da Cruz Lemes,Thaynara Fetsch Werner Silva e Thiago Vieira do Nascimento.

Introdução

O conceito de estética possui um amplo espectro de definições, no entanto, ela pode ser considerada, sinteticamente, como o estudo da natureza do belo e dos fundamentos da arte. Por conseguinte, ela é responsável por estudar o julgamento e a percepção do que é considerado belo, assim como a produção de emoções pelos diferentes fenômenos estéticos (Duffles, 2006).

 

Semir Zeki FMedSci FRS é um professor de neuroestética na University College London. Seu principal interesse é a organização do cérebro visual primata. Ele publicou seu primeiro trabalho científico em 1967. Desde então, já escreveu mais de 150 artigos e quatro livros: Splendours and Miseries of the Brain (2008), A Vision of the Brain (1993), Inner Vision: an exploration of art and the brain (1999) [que foi traduzido para seis idiomas] e La quete de l'essentiel, que ele escreve juntamente com o pintor francês Balthus (Conde Klossowski de Rola). Em 1994, ele começou a estudar as bases neurais da criatividade e da apreciação estética da arte. Em 2001, ele fundou o Instituto de neuroestética em Berkeley, Califórnia.

Semir Zeki FMedSci FRS é um professor de neuroestética na University College London. Seu principal interesse é a organização do cérebro visual primata. Ele publicou seu primeiro trabalho científico em 1967. Desde então, já escreveu mais de 150 artigos e quatro livros: Splendours and Miseries of the Brain (2008), A Vision of the Brain (1993), Inner Vision: an exploration of art and the brain (1999) [que foi traduzido para seis idiomas] e La quete de l’essentiel, que ele escreve juntamente com o pintor francês Balthus (Conde Klossowski de Rola). Em 1994, ele começou a estudar as bases neurais da criatividade e da apreciação estética da arte. Em 2001, ele fundou o Instituto de neuroestética em Berkeley, Califórnia.

A neuroestética usa as diversas técnicas da neurociência para explicar e compreender as experiências estéticas no nível neurobiológico. O termo “neuroestética” foi criado por Semir Zeki em seu artigo “Art and the brain”, de 1999, e se refere ao estudo das bases neurais da estética. Em suma, a neuroestética se revela uma área muito promissora, a partir do momento em que, através dela, podemos ser capazes de entender os processos neurais que subjazem a experiência estética.

Como pioneiro na área da neuroestética, Semir Zeki relaciona elementos importantes da arte no cérebro, objetivando estabelecer relações entre as manifestações visuais/artísticas e suas relações com campos receptivos nas células do córtex visual.

Vilayanur S. Ramachandran et al propuseram as dez leis universais da neuroestética   e sugeriram mecanismos neurais nos quais estas se baseariam. Apesar de não possuir comprovação empírica estabelecida, a proposta fornece um parâmetro para a compreensão do processamento cerebral do belo, em especial nas artes visuais.

A neuroestética defende que a percepção do belo obedece a leis universais que se relacionam com aspectos neurobiológicos do processamento de informações comuns a todos os homens (Ramachandran, 2008).

Obviamente a arte é um produto cultural e sua interpretação sempre sofrerá influências culturais. Por exemplo, a estatueta de uma deusa da fertilidade pode ter um caráter religioso local, no entanto, alguém que não pertença àquela comunidade e que consequentemente desconhece seu aspecto sacro, pode valorizar apenas a imagem e seus recursos de criação. O exagero das formas femininas é percebido por ambos, remetendo-lhes à percepção do belo. No entanto, para o estrangeiro não há conteúdo religioso que influencie no seu julgamento. Desta maneira, é importante ressaltar que as leis universais da estética não negligenciam a enorme importância da cultura na criação, na experiência e na interpretação da arte (Ramachandran, 2005).

Analogamente às artes visuais, a música também tem um alto poder de afetar nossas emoções e de transmitir sentimentos em todas as sociedades no decorrer dos tempos.  A percepção da música dentro do que é considerado “agradável” ou não tem servido de critério para estudos do seu processamento cerebral (Andrade, 2004).

Este texto apresenta as dez leis universais da neuroestética e sugere possíveis aplicações das mesmas à percepção musical.

 

 

Vilayanur Subramanian Ramachandran (nascido em 1951) é um neurocientista conhecido por seu trabalho nas áreas de neurologia comportamental e psicofísica visual. Ele é o diretor do Centro de Cérebro e Cognição e atualmente é professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Neurociências da Universidade da Califórnia, San Diego . Ramachandran é conhecido por seu uso de métodos experimentais que dependem relativamente pouco de tecnologias complexas, como neuroimagem. Apesar da aparente simplicidade de sua abordagem, Ramachandran tem gerado muitas idéias novas sobre o cérebro. Ele foi chamado de "O Marco Polo da neurociência", por Richard Dawkins e "o moderno Paul Broca", por Eric Kandel. [7] Em 1997 a revista Newsweek o nomeou como um membro do "The Century Club", uma das "cem pessoas mais importantes para se observar" no século 21. Em 2011  a revista Time o listou como uma das "pessoas mais influentes do mundo" na lista "Time 100". Ramachandran é autor de vários livros que têm recebido interesse do público geral. Estes incluem Phantoms In the Brain (1999) e, mais recentemente, The Tell-Tale Brain (2010).

Vilayanur Subramanian Ramachandran (nascido em 1951) é um neurocientista conhecido por seu trabalho nas áreas de neurologia comportamental e psicofísica visual. Ele é o diretor do Centro de Cérebro e Cognição e atualmente é professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Neurociências da Universidade da Califórnia, San Diego .
Ramachandran é conhecido por seu uso de métodos experimentais que dependem relativamente pouco de tecnologias complexas, como neuroimagem. Apesar da aparente simplicidade de sua abordagem, Ramachandran tem gerado muitas idéias novas sobre o cérebro. Ele foi chamado de “O Marco Polo da neurociência”, por Richard Dawkins e “o moderno Paul Broca”, por Eric Kandel. [7] Em 1997 a revista Newsweek o nomeou como um membro do “The Century Club”, uma das “cem pessoas mais importantes para se observar” no século 21. Em 2011 a revista Time o listou como uma das “pessoas mais influentes do mundo” na lista “Time 100”. Ramachandran é autor de vários livros que têm recebido interesse do público geral. Estes incluem Phantoms In the Brain (1999) e, mais recentemente, The Tell-Tale Brain (2010).

O cérebro visual

O cérebro visual consiste de vários sistemas de múltiplos estágios de processamento paralelo, sendo cada um especializado em uma determinada tarefa. A importância do cérebro visual na percepção estética passa a ser discutida a partir da publicação de Inner Vision: an Exploration of Art and the Brain (Zeki, 1999). O autor propõe que toda arte visual é expressa e recebida pelo cérebro e que, portanto, deve necessariamente seguir suas leis.

O sistema nervoso processa a informação visual tanto em sequência hierárquica como em paralelo (Farah, 2000; Zeki,1993; Van Essen, Feleman, DeYoe, Ollavaria & Knierman,1990).  Os componentes seqüenciais de processamento visual podem ser classificados como visão inicial, intermediária e final (Marr, 1982). Visão inicial extrai elementos simples do ambiente visual, como cor, luminosidade, forma e movimento. Estes elementos simples são processados ​​em partes diferentes do cérebro. A visão intermediária  segrega a visão em alguns elementos e a agrupa em outros, convergindo informações que eram antes uma forma sensorial caótica. A visão tardia seleciona qual dessas informações são coerentes, reconhece os estímulos visuais em sua totalidade e simultaneidade (forma, cor, movimento, localização e orientação no espaço, dimensão) e evoca memórias a partir dos objetos vistos (Chatterjee, 2010).

A sequência hierárquica do processamento visual tem forte correlação com a percepção estética (Chatterjee, 2010). A forma é reconhecida pela visão inicial e intermediária, enquanto que o conteúdo é percebido pela visão tardia. Assim, em meio à diversidade de estímulos, a unidade, ou as unidades podem ser discriminadas.

 

Visual cortex

áreas de processamento do córtex visual

O cérebro musical

 

Ludwig van Beethoven (1770-1827)-compositor alemão, reconhecido como o grande elemento de transição entre o Classicismo e o Romantismo. De fato, ele foi um dos primeiros compositores a dar papel fundamental ao elemento subjetivo na música. "Saída do coração, que chegue ao coração", disse a respeito de uma de suas obras. Toda obra beethoveniana é fruto de sua personalidade sonhadora e melancólica, um tanto épica, verdadeiramente romântica. Mas ele não abandonou as formas clássicas herdadas de Mozart e de "papai" Haydn. Beethoven soube fazer arte inovadora nos moldes tradicionais, sem os destruir, mas alargando suas fronteiras. Esse processo transfigurador aconteceu gradualmente, e culminou em obras como os últimos quartetos de cordas, radicalmente distantes dos similares de Mozart, por exemplo. O estilo de Beethoven tem características marcantes: grandes contrastes de dinâmica (pianissimo x fortissimo) e de registro (grave x agudo), acordes densos, alterações de compasso, temas curtos e incisivos, vitalidade rítmica e, em obras na forma-sonata, desenvolvimentos longos em detrimento de exposições mais concentradas. Fonte: www.imcsouzacampos.com.br

Ludwig van Beethoven (1770-1827)-compositor alemão, reconhecido como o grande elemento de transição entre o Classicismo e o Romantismo. De fato, ele foi um dos primeiros compositores a dar papel fundamental ao elemento subjetivo na música. “Saída do coração, que chegue ao coração”, disse a respeito de uma de suas obras. Toda obra beethoveniana é fruto de sua personalidade sonhadora e melancólica, um tanto épica, verdadeiramente romântica. Mas ele não abandonou as formas clássicas herdadas de Mozart e de “papai” Haydn. Beethoven soube fazer arte inovadora nos moldes tradicionais, sem os destruir, mas alargando suas fronteiras. Esse processo transfigurador aconteceu gradualmente, e culminou em obras como os últimos quartetos de cordas, radicalmente distantes dos similares de Mozart, por exemplo.
O estilo de Beethoven tem características marcantes: grandes contrastes de dinâmica (pianissimo x fortissimo) e de registro (grave x agudo), acordes densos, alterações de compasso, temas curtos e incisivos, vitalidade rítmica e, em obras na forma-sonata, desenvolvimentos longos em detrimento de exposições mais concentradas.
Fonte: www.imcsouzacampos.com.br

A música apresenta em sua construção e forma características universais como: 1- Produção das Melodias (combinação sucessiva de notas através da qual reconhecemos uma música); 2- Percepção dos Intervalos (diferença de altura entre duas notas) consonantes e dissonantes que provocam respectivamente uma sensação psicoacústica agradável ou desagradável; 3- Organização das Notas Musicais em Escalas e sua Organização Temporal (metro e ritmo). Há registros de características semelhantes através das mais diferentes músicas nos fundamentos das melodias, intervalos consonantes/dissonantes, notas e métricas (Drake e Bertre, 2001).

O ser humano nasce com habilidades cognitivas biologicamente primárias que formam o esqueleto cognitivo, dentro do qual se formarão as habilidades biologicamente secundárias. Estas dependem da formação cultural e de treinamento. A percepção musical é uma habilidade biológica primária, ou seja, é inata, independe das circunstâncias culturais e ocorre como função cerebral, abrangendo muitas áreas e circuitos neurais.

Assim como no caso dos estímulos visuais, a música também é processada em paralelo e em série, havendo convergência de informações para centros de elaboração mais tardia, como o córtex dorsolateral pré-frontal (DLPFC).

O reconhecimento tonal ativa principalmente o hemisfério direito (Schuppert, 2000; Zatorre, 1999), mas também há participação de áreas linguísticas no hemisfério esquerdo e de áreas visuo-espaciais e motoras em ambos os hemisférios. Simultaneamente a música está associada às emoções, podendo provocar alegria, tristeza, melancolia, euforia, até respostas físicas, como arrepios, calafrios, lacrimejamento e tremores.

“Emoções musicais negativas (principalmente diante de música dissonante) ativam o giro parahipocampal e a amígdala e estão associadas à liberação de noradrenalina e a correlatos neurofisiológicos do comportamento de fuga ou medo. Emoções musicais positivas (principalmente diante de música consonante) ativam áreas cerebrais envolvidas no comportamento de recompensa/prazer, sistema mesolímbico e mesocortical com mediação dopaminérgica, como a área tegmental ventral do mesencéfalo, o nucleus accumbens e o córtex orbitofrontal”. (Panksepp, 2002) 

Estudos comprovam que a música provoca mais emoções no ser humano do que a linguagem ou as artes visuais. Ela tem efeito imediato sobre as áreas subcorticais envolvidas no comportamento aversivo (de fuga), tal como o giro parahipocampal e a amígdala e sobre áreas que compõem o circuito de recompensa, como o sistema mesolímbico e o córtex orbitofrontal.

 

As leis universais da percepção estética aplicadas à música

 

  1. Lei da Constância-repetição, ritmo e ordem

Trata-se da habilidade do cérebro em absorver os dados de constância e as propriedades essenciais de um objeto, enquanto simultaneamente descarta propriedades dinâmicas irrelevantes. Esse processamento neurológico é atribuído à área do córtex visual V1 (córtex visual primário). O cérebro seria, em sua natureza, atraído por repetições e ritmos e estaria sempre procurando predizer padrões. Esta propriedade poderia ser conseqüência de uma adapta,ao evolutiva, fruto da necessidade do sistema visual em economizar processamento de informação (Ramachandran, 2008).

Aplicando esse princípio à acústica, ouvintes extraem em uma melodia os eventos sonoros repetidos com mais freqüência, pois estes atuam como ponto de referência cognitiva (Eerola et al., 2004). As propriedades estatísticas da música, como o numero de vezes em que são repetidos os tons/notas, produzem efeitos de familiaridade no ouvinte e contribuem para sua apreciação (Castellano et al. 1984).

Na partitura musical é utilizada a barra de repetição. Esta funciona como uma forma convencionada de sinal para que o músico repita um determinado trecho. O resultado de sua aplicação é a sensação de familiaridade com a melodia devido à freqüência de execução. Como por exemplo, na composição Fur Elise, de Ludwig van Beethoven, fica evidente a aplicação deste recurso, fazendo com que a melodia ressoe de forma mais agradável.

 

  1. Lei da Abstração ou do Agrupamento-resolvendo um problema perceptual

O cérebro tem uma capacidade limitada de armazenamento de informações, de forma que, para utilizar seus recursos de maneira econômica, procura sempre abstrair a partir de informações complexas um padrão, reduzindo e condensando o conteúdo a ser retido. É bem conhecida, principalmente nas áreas da Física, Matemática e Filosofia, a necessidade e a satisfação humana em desvendar assuntos complexos, transformando-os em algo mais simples e universal (Hudson, 2011). A simplificação e a dedução “daquilo que está por trás” e é o elemento comum dentro da diversidade nos possibilita compreender mundo que nos cerca e facilita a nossa adaptação a ele.

Tantra-lovers-by Markus Meier: dentre os múltiplos estímulos, o cérebro descobre a imagem dos amantes

Tantra-lovers-by Markus Meier: dentre os múltiplos estímulos, o cérebro descobre a imagem dos amantes

Mother-Child-by Durga Brnhard: o cérebro soluciona o problema de entender que a espiral representa mãe e filho.

Mother-Child-by Durga Brnhard: o cérebro soluciona o problema de entender que a espiral representa mãe e filho.

No caso da apreciação musical, é possível que o cérebro, ao extrair e reconhecer um padrão abstrato a partir de múltiplos estímulos, passe a perceber a sua beleza. O desempenho cognitivo em decifrar e decodificar a estrutura básica que domina a composição leva à experiência de harmonia e prazer no ouvinte.

 

Hudson NJ. Musical beauty and information compression:   Complex to the ear but simple to the mind? BMC   Res Notes. 2011 Jan 20;4:9. doi: 10.1186/1756-0500-4-9. Source   Computational and Systems Biology, CSIRO Livestock Industries, 306   Carmody Road, St, Lucia, Brisbane, Queensland 4067, Australia. nick.hudson@csiro.au.AbstractBACKGROUND: The biological origin of music, its universal appeal across human   cultures and the cause of its beauty remain mysteries. For example, why is   Ludwig Van Beethoven considered a musical genius but Kylie Minogue is not?   Possible answers to these questions will be framed in the context of   Information Theory.PRESENTATION OF THE HYPOTHESIS:   The   entire life-long sensory data stream of a human is enormous. The adaptive   solution to this problem of scale is information compression, thought to have   evolved to better handle, interpret and store sensory data. In modern humans   highly sophisticated information compression is clearly manifest in   philosophical, mathematical and scientific insights. For example, the Laws of   Physics explain apparently complex observations with simple rules. Deep   cognitive insights are reported as intrinsically satisfying, implying that at   some point in evolution, the practice of successful information compression   became linked to the physiological reward system. I hypothesise that the   establishment of this “compression and pleasure” connection paved   the way for musical appreciation, which subsequently became free (perhaps   even inevitable) to emerge once audio compression had become intrinsically   pleasurable in its own right.TESTING THE HYPOTHESIS: For a range of compositions, empirically   determine the relationship between the listener’s pleasure and   “lossless” audio compression. I hypothesise that enduring musical   masterpieces will possess an interesting objective property: despite apparent   complexity, they will also exhibit high compressibility.IMPLICATIONS OF THE   HYPOTHESIS: Artistic masterpieces and deep Scientific insights share the common   process of data compression. Musical appreciation is a parasite on a much   deeper information processing capacity. The coalescence of mathematical and   musical talent in exceptional individuals has a parsimonious explanation.   Musical geniuses are skilled in composing music that appears highly complex   to the ear yet transpires to be highly simple to the mind. The listener’s   pleasure is influenced by the extent to which the auditory data can be   resolved in the simplest terms possible.PMID:21251325[PubMed]    PMCID:PMC3035585 

 

3. Princípio do Deslocamento de Pico

A Lei do Deslocamento de Pico trata da resposta de satisfação do cérebro a estímulos exagerados. Nas artes visuais, a distorção da imagem pelo exagero de formas ou de cores, facilita a percepção do que é mais importante e contribui para a apreciação estética. Por exemplo, uma imagem feminina com mamas desproporcionalmente salientes e a face mal definida não seria realista, na realidade seria uma desfiguração, mas que, justamente por este motivo, estaria direcionando o cérebro do observador ao reconhecimento do foco. Neste caso, o destaque seria a essência da feminilidade representada pelas mamas e não as características particulares de uma determinada mulher.

 

Venus de Willendorf (22,000 a.C. - 21,000 a.C.)

Venus de Willendorf (22,000 a.C. – 21,000 a.C.): deslocamento de pico?

 

Painting by Neville Clarke ( born in Jamaica and immigrated to Canada in 1974 in age of 14).

Painting by Neville Clarke: deslocamento de pico?

 

Trigal com corvos-por van Gogh: Um exemplo de deslocamento de pico? Reprodução distorcida da paisagem real, intensificando formas e cores, condensando detalhes e reduzindo as informações visuais, aumentando os contrastes e direcionando o foco de atenção para a percepção da tempestade que se aproxima.

Trigal com corvos-por van Gogh: Um exemplo de deslocamento de pico? Reprodução distorcida da paisagem real, intensificando formas e cores, condensando detalhes e reduzindo as informações visuais, aumentando os contrastes e direcionando o foco de atenção para a percepção da tempestade que se aproxima.

 

Experimentos com animais sugerem que a satisfação diante de estímulos intensificados é uma característica neurobiológica compartilhada com outras espécies.

No paradigma de deslocamento de pico, o animal é primeiramente submetido a um treino, no qual seu comportamento é modificado após exposição a um estímulo positivo (uma imagem), associado a uma recompensa (alimento).  Quanto mais exagerado, distorcido e distante da realidade for esse estímulo, maior será a reação a ele. Essa amplificação das diferenças, ressaltando a parte atrativa da imagem, facilita o seu reconhecimento visual e exacerba a resposta do observador (Ramachandran, 2008, 2010).

De uma forma muito semelhante funciona o paradigma de “padrão de estímulo ultranormal”. Neste caso, utiliza-se uma resposta comportamental inata, substituindo o estímulo do ambiente natural por outro artificial, no qual apenas o detalhe pontual que dispara o comportamento inato é amplificado. Esta deformação causa aumento da resposta no animal (Ramachandran, 2008, 2010).

Na apreciação musical, o descolamento na acústica se faz pela variação ou pela alternância de extremos, como, por exemplo, através da mudança da velocidade de execução, ou do aumento gradativo de volume. Esse exagero intensifica a percepção do ouvinte, intensificando a sensação de satisfação. Assim, justamente a distorção do trivial, a amplificação das disparidades torna a melodia atrativa (Hudson, 2011).

Na composição Pathetiqué de Ludwig van Beethoven ocorre uma transição de intensidade sonora. De início, a música possui uma característica forte, de expressão vibrante devido à força que o pianista impõe às teclas. Isso faz com que som soe mais alto, no entanto, no decorrer da execução, essa vibração forte oscila, chegando ao extremo oposto, ou seja, à suavidade.

Ludwig van Beethoven é um mestre do Deslocamento de Pico, recurso este evidente em várias de suas obras, como na 9ª Sinfonia.

Texto continua com a parte 2 na próxima postagem.

 

Bianca Diana Alves, Nathaly Marianne da Cruz Lemes,Thaynara Fetsch Werner Silva e Thiago Vieira do Nascimento-alunos de graduação do curso de Medicina-XIIa turma-Faculdade de Ciências da Saúde-UFGD

 

REFERÊNCIAS

 

  1. Appenzeller, T. Science.      1998;(282):1451-1454

 

  1. Rilling, J. K. & Insel, T.R.; J. Hum. Evol. 1999 (37): 191–223

 

  1. Paulus, M.P., Hozack, N., Frank, L., Brown, G.G.      & Schuckit, M.A. Biol. Psychiatry 2003(53): 65–74.

 

  1. Maestú, F., Simos, P.G.,      Campo, P., Fernández, A., Amo, A., Paul, N., González-Marqués, J. &      Ortiz, T. NeuroImage 2003 (20):1110–1121.

 

  1. Dehaene, S. & Changeux, J. P. Prog. Brain      Res. 2000 (126): 217–229

 

  1. Kawabata, Hideaki y Zeki,      Semir. “Neural Correlatos of Beauty”. The American      Physiological Society. J. Neurophysiol. 2004 (91): 1699-1705,

 

  1. Andreu, Celia. La      intertextualidad en el texto cinematográfico. Análisis de El milagro de      P.Tinto. Madrid: Universidad Rey Juan Carlos, 2008.

 

  1. Duffles, Marília.      Neuroestética busca princípio biológico do belo. 2006 p: 4

 

  1. Ramachandran, Vilayanur      S. Los laberintos del cerebro. Madrid: La Liebre de Marzo, 2008.

 

  1. Zeki, Semir. “Art and the Brain”. Daedalus 127. 1998 (2): 71-103.

 

  1. Chatterjee, Anjan. Neuroaesthetics: A coming of Age Story.  Journal of Cognitive Neurosciense. 2010;      23(1): 53-62

 

  1. Koelsch, S., Siebel, W.A. Towards a neural basis of music      perception. Trends Cognit Sci 2005 (9): 578-84

 

  1. Marr, D. Vision. A computational investigation in to the Human      representation and processing of visual information. NewYork: WHF      reemanand Company. 1982.

 

  1. Farah, M. The cognitive neuroscience of vision. Malden, MA:      Black well Publishers. 2002.

 

  1. Andrade, Paulo Estêvão.      Uma abordagem evolucionária e científica da música. Neurociências. 2004;      1(1): 21-33.

 

  1. Andrade,      Paulo Estêvão; Konkiewitz, Elisabete Castelon. Fundamentos neurobiológicos      da música e suas implicações para a saúde. Neurociências. 2011; 7(3):      171-183.

 

  1. Panksepp J, Bernatzky G. Emotional sounds and the      brain: the neuro-affective foundations of musical appreciation. Behav      Processes 2002; 60:133-55.

 

  1. Takashi, Tsukiura; Cabeza, Roberto. Shared brain      activity for aesthetic and moral judgments: implications for the      Beauty-is-Good stereotype. 2011 (6): 138-148.

 

  1. Itzhak Aharon; Etcoff Nancy, Dan Ariely; Chabris      Christopher; Ethan O’Connor; Hans C. Breiter. Beautiful Faces Have      Variable Reward Value: fMRI and Behavioral Evidence. 2001 (32): 537-551

 

  1.   Patel,      A.D. and Daniele, J. R. (2003). An empirical comparison of rhythm in      language and music. Cognition, 87,      B35-45.

 

  1.   Zatorre,      R. J.; Belin, P. and Penhune, V. B. (2002). Structure and function of      auditory cortex: music and speech. Trends      in Cognitive Sciences, 6 (1), 37-46.

 

  1.   Zatorre,      R. J.; Discrimination and recognition of tonal melodies after unilateral      cerebral excisions. Neuropsychologia 1985; 23(1): 31-41

 

  1. Zatorre, R.J. Pitch perception of complex tones      and human temporal-lobe function. J Acoust Soc Am 1988; 84 (2):566-72.

 

  1. Schuppert, M. Münte, T.F. Wieringa et al. Receptive amusia: evidence for cross-hemispheric neural networks      underling music processing strategies Brain. 2000; 123: 546-59.

 

  1.   Krumhansl      C. L. and Juscsyk, P. W. (1990). Infant’s perception of phrase structure      in music. Psychological Science, 1      (1), 70-73.

 

  1.  Drake, C.,      & Bertrand, D. (2001). The quest for universals in temporal processing      in music. Annals of the New York Academy of Science 17-27.

 

  1.  Semeler, Alberto; Carmo, Juliano. A      Neuroestética como retomada da experiência estética enquanto forma de      conhecimento visual. 2011 (4) p:4-16.

 

  1. Khalfa,      S. Isabelle, P. Jean-Pierre, B. Manon, R. Evente-related skin conductance      responses to musical emotions in humans. Neurosci Lett 2002; 328:145-9.

 

  1. Brown, S. Martinez,      M.J. and Parsons, L. M. Passive music listening spontaneously engages      limbic and paralimbc systems. Neuroport, 2004; 15 (13):2033-7

 

  1. Cross, I. Music, cognition, culture and      evolution. Annual       New YorkAcademy      of Science. 2001; 930, 28-42.

 

  1. Cross, I. Music and evolution: causes and      consequences. Contemporary Music Review. 2003; 22, 79-89.

 

  1. Buonomano, D.V, Merzenich, M.M. Cortical      plasticity: from synapses to maps. Annual Rev Neuroscience. 1998;      21:149-86

 

  1. Andrade,      P.E. O desenvolvimento cognitivo da criança: o que a psicologia      experimental e a neurociência têm a nos dizer. Neurociência.      2006;3:98-118.

 

  1. Geary, D.C., Huffman, K.J. Brain and congnitive      evolution: forms of mind. 2002; 128:667-98.

 

  1. Bouwman, J., Maia, A.S. Camoletto, P.G.,      Posthuma, G., Roubos, E.W., Oorschot, V.M. et al. Quantification of      synapse formation and maintenance in vivo in the absence of synaptic      release. Neuroscience. 2004; 126(1):115-26.

 

  1. Ramachandran, Vilayanur S. The Tell-Tale Brain: A      Neuroscientist’s Quest for What Makes Us Human. 2010

 

  1. Zeki, Semir. (2001). Artistic Creativity and the      Brain. Science,      293(5527), 51-52

 

  1. Hudson,      Nicholas J. Musical beauty and information compression: Complex to the ear      but simples to the mind? 2011; 4 p: 2-9

 

Link permanente para este artigo: http://cienciasecognicao.org/neuroemdebate/?p=945

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.