Neuroeducação e Inteligência: como as artes e a atividade física podem contribuir para a melhora cognitiva- por Alfred Sholl-Franco, Tatiana Maia Barreto e Talita da Silva de Assis

Trechos do capítulo do livro Altas Habilidades/Superdotação. ângela Virgolim & Elisabete Castelon Konkiewitz. Papirus, 2014.

Introdução

Há alguns anos a organização e a distribuição da grade curricular escolar eram focadas nas inteligências lógico-matemática e linguística, características prioritariamente cobradas nos testes de QI (Coeficiente de Inteligência) para categorizar o nível de inteligência dos indivíduos. Este fato sempre reforçou a importância de disciplinas como a matemática e o português, que detêm maior carga horária nas escolas. Posteriormente, Gardner, com a Teoria das Inteligências Múltiplas, mostrou que esses são apenas dois aspectos da inteligência e que devemos nos atentar ainda para outros tipos, tais como: musical, espacial, cinestésica, interpessoal, intrapessoal e naturalista (Almeida et al., 2010; Gardner, 1985; Nolen, 2003). Assim, embora existam diferentes formas de avaliar estas inteligências, elas representam apenas aspectos isolados de um conjunto, que podem ser potencializados pelo aproveitamento das características individuais e pelo trabalho complementar e sinérgico entre elas. Desta forma, buscamos aprofundar a importância de estimular atividades artísticas e físicas como ferramentas de reforço para a aquisição de conhecimentos e potencialização das inteligências (Barenberg et al., 2011; Conway, 2003; Donders, 2002; Eysenck & Keane, 2005; Hussen, 2010; Matzel & Kolata, 2010; Minear e Shah, 2008). Neste sentido, uma série de estudos comprova que a ampliação do repertório motor e a estimulação física e mental, assim como a criação de situações problemas, são indispensáveis para um aprendizado saudável e eficaz, o que já tem sido explorado em algumas escolas, como é o caso da Escola da Ponte[1], em Portugal.

Neuroeducação: o desenvolvimento do sistema nervoso e as inteligências

Como os conhecimentos neurocientíficos podem contribuir para a potencialização da capacidade intelectual? Para respondermos a essa pergunta, primeiramente precisamos ter uma noção básica de quais estruturas estão envolvidas nesse processo até chegarmos ao que entendemos como inteligência.

Uma peculiaridade da espécie humana esta relacionada com o fato de que no período neonatal os componentes do sistema nervoso ainda não estão totalmente desenvolvidos, o que torna o bebê humano um ser totalmente dependente, que não consegue satisfazer suas necessidades básicas, precisando completar o seu potencial genético com a estimulação ambiental (Giedd et al., 1999; Hudspeth & Pribram, 1990; Huttenlocher, 2003; Matzel e Kolata, 2010). Durante os primeiros anos de vida, ocorre o crescimento, a maturação e a seleção funcional de diferentes estruturas do sistema nervoso, assim como o estabelecimento de conexões entre os neurônios (sinapses). Isto gera a intricada rede neuronal que possibilita a construção de novos esquemas cognitivos e o pleno funcionamento dos mesmos ao longo de toda vida (Antonini & Stryker, 1993; Greenough et al., 1987; Huttenlocher, 1979; Sanes et al., 2011; Singer, 1990, 1995; van der Molen e Molenaar, 1994; Yan e Fischer, 2002). Aos períodos de maior plasticidade do sistema, chamamos “períodos críticos” ou “janelas de oportunidades”, os quais podem variar muito conforme a função relacionada ou característica estudada, como observado na figura 1 (Bailey et al., 2001; Kisilevsky et al., 2003; Kuhl, 2004; Neville & Bruer, 2001; Shonkoff, 2000; Wiesel & Hubel, 1963). Um bom exemplo disso é a visão. Estudos mostram que o recém-nascido não enxerga como uma pessoa adulta. Isso acontece porque o sistema de condução da informação visual ainda não está pronto, fazendo com que a criança só veja vultos. Entretanto, os sons ouvidos pela criança são mais facilmente identificados, fazendo com que essa modalidade sensorial complemente o reconhecimento de pessoas e objetos pelo bebê, permitindo a aquisição de informações ambientais (aprendizagem), conforme a atenção dispensada e o processamento dos estímulos de forma integrativa pela memória de trabalho (Cahill et al., 2001; Cowan et al., 2006; Conway et al., 2003; Matzel & Kolata, 2009). O mesmo padrão é observado com o sistema motor, uma vez que os movimentos da criança ao nascer são formados por um conjunto de reflexos básicos responsáveis minimamente por sua sobrevivência (como o reflexo de sucção, por exemplo) e só depois o sistema irá amadurecer e, com a experiência, opor-se à gravidade produzindo movimentos direcionados, o que reforça a visão de Wallon (1975) de que, ao nascer, a criança ainda não se reconhece como individuo, mas sim como uma extensão do corpo de sua mãe.

Novas tecnologias, práticas esportivas e a potencialização das inteligência em crianças e

os exergames, jogos que utilizam os movimentos corporais como forma de interação com ambientes virtuais, são ferramentas tecnológicas utilizadas para a promoção da atividade física (Fogel et al., 2010; Vaghetti e Botelho, 2010). Além dos benefícios advindos do exercício, tais como melhora das funções cardiorrespiratória, aumento da força muscular jovens

Atualmente, aumento do gasto energético, controle da pressão arterial e frequência cardíaca, melhora do condicionamento físico dentre outros (Gonçalves et al., 2012), a prática de exergame também traz ganhos cognitivos como diminuição do tempo de reação, melhora na capacidade de abstração devido à interação com o ambiente virtual, melhora da motricidade fina e global, já que o acionamento dos comandos é dado por intermédio da movimentação dos segmentos corporais. Observa-se ainda a melhora das funções cognitivas, como no caso de resolução de problemas. Por essa razão, estudos recentes tentam explorar o uso dessas novas ferramentas no contexto escolar, uma vez que seu carácter lúdico é um chamariz para crianças e jovens de diferentes faixas etárias. Tendo em vista isso, o mercado tecnológico vem investindo em acessórios que visam não apenas potencializar o grau de especialização em uma dada tarefa, assim como jogos educacionais, nos quais não basta haver movimentação, mas também a transmissão de um conteúdo curricular implícito durante a realização do jogo. Grande parte desses jogos está relacionado a atividade física ou ensino de ciências e matemática, de modo a potencializar as inteligências pelo trabalho sinérgico entre o trabalho físico e mental.

Conclusão

As reflexões estabelecidas neste capítulo apontam para o trabalho integrado entre áreas como as artes e a atividade física, adotando uma perspectiva exploratória para o desenvolvimento cognitivo e a potencialização das inteligências. Tendo em vista esses aspectos, é bastante seguro afirmar que uma criança que seja trabalhada desde o nascimento terá grande chance de obter uma melhor rede de conexões. Isto, por sua vez, viabilizaria uma maior capacidade de associações e, consequentemente, uma maior probabilidade de solução de problemas levando em consideração não apenas aspectos cognitivos, mas também os aspectos motores e afetivos envolvidos no processo.

CASTELON KONKIEWITZ, Elisabete; VIRGOLIM, A. R. (Org.) . Altas Habilidades/Superdotação, Inteligência e Criatividade. 1. ed. Campinas: Papirus, 2014. 480p .


[1] Este projeto busca, a partir da soma de princípios como intencionalidade pedagógica, liberdade, conscientização de seus atos na sociedade e respeito ao ritmo de aprendizagem dos alunos, propiciar um processo de ensino-aprendizagem mais agradável e eficaz, potencializando as inteligências de forma natural (http://www.escoladaponte.com.pt).

89 thoughts on “Neuroeducação e Inteligência: como as artes e a atividade física podem contribuir para a melhora cognitiva- por Alfred Sholl-Franco, Tatiana Maia Barreto e Talita da Silva de Assis

  • 01/12/2020 em 2:40
    Permalink

    A neurociência é surpreendente, pois nos permite compreender um pouco desse universo fantástico que é o cérebro e sua plasticidade durante todo vida do ser humano.
    As habilidades sócio emocionais fizeram uma diferença extraordinária nesse período de isolamento. Trabalhar as habilidades sócio emocionais permite ao aluno lidar de forma mais tranquila diante das adversidades da visa, incluindo o turbilhão de emoções que é o aprendizado.

    Resposta
  • 01/12/2020 em 2:28
    Permalink

    Conhecer como funciona o cérebro é importante entender como suas funções permite ao professor elaborar práticas pedagógicas que atentam efetivamente e de forma significativa a vida do aluno.
    As habilidades sócio emocionais permitem os alunos desenvolveram autonomia para lidar com o novo, com as intemperes da vida e é parte fundamental para permitir que o aluno esteja apto ao aprendizado.
    ale, e eu esquecerei; ensine-me, e eu poderei lembrar; envolva-me, e eu aprenderei.” (Benjamin Franklin).

    Resposta
  • 01/12/2020 em 2:22
    Permalink

    O cérebro em sua plasticidade é muito mágico. Saber que estamos em constante mudança e capacidade de aprendizagem é brilhante. E reconhecer que o sócio emocional está diretamente ligada a motivação, interesse, e aprendizado. Desenvolver habilidades sociais é fundamental para viver em sociedade.
    “Fale, e eu esquecerei; ensine-me, e eu poderei lembrar; envolva-me, e eu aprenderei.” (Benjamin Franklin)

    Resposta
  • 30/11/2020 em 23:01
    Permalink

    O estudo da Neurociência é uma importante ferramenta para que os professores, educadores e pais possam compreender melhor o funcionamento do cérebro e das ligações nervosas para o aprendizado e o comportamento dos jovens.

    Resposta
  • 30/11/2020 em 14:42
    Permalink

    A Neurociência busca maneiras de aprofundar e estimular atividades artísticas e físicas como ferramentas de auxílio na aquisição de conhecimentos, e potencialização das inteligências das crianças. Desde o nascimento, e permeando toda sua vida escolar.

    Resposta
  • 28/11/2020 em 21:14
    Permalink

    É FUNDAMENTALQUE O PROFESSOR TENHA CONHECIMENTO SOBRE AS FUNÇÕES DO CÉREBRO, CONTRIBUINDO PARA SEU DESEMPENHO PROFISSIONAL E ASSIM, MELHORAR AS SUAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.

    Resposta
  • 25/11/2020 em 21:28
    Permalink

    Toda criança deve ser estimulada desde o nascimento. É preciso estimular para que haja aprendendizado. A escola continua esse processo, potencializando assim o desenvolvimento de cada uma delas.

    Resposta
  • 25/11/2020 em 16:52
    Permalink

    interessantes as abordagens apresentadas

    Resposta
  • 25/11/2020 em 3:34
    Permalink

    Achei super interessante e bastante produtivo, sem dúvidas são conhecimentos no qual todos deveriam ter acesso.

    Resposta
  • 25/11/2020 em 2:11
    Permalink

    Foi de grande importância conhecer as funções do cérebro.

    Resposta
  • 24/11/2020 em 19:45
    Permalink

    O estudo do cérebro é fundamental para docentes,pais e responsáveis,pois assim todos podem ajudar as crianças e jovens a terem uma aprendizagem significativa.

    Resposta
  • 17/11/2020 em 22:29
    Permalink

    Interagir socialmente é muito importante no desenvolvimento da aprendizagem.na escola,com amigos e no ambiente familiar.

    Resposta
  • 05/11/2020 em 12:12
    Permalink

    Conhecer as funções cerebrais, seu desenvolvimento e potencialidades tornou-se indispensável para o educador do século XXI. Os conhecimentos trazidos pelas neurociências tem contribuído para que o professor possa conhecer um pouco mais como a aprendizagem ocorre, dessa forma ele tem mais um recurso para planejar e executar as aulas levando o aluno a construção do seu próprio conhecimento.

    Resposta
    • 27/11/2020 em 14:59
      Permalink

      O professor precisa compreender como a aprendizagem se processa no cérebro do educando para trabalhar com mais segurança e embasamento. Buscar varias estratégias para alcançar os objetivos e acompanhar o processo. Texto rico com muitas informações importantes.

      Resposta
  • 01/11/2020 em 23:36
    Permalink

    É importante estimular a criança desde o nascimento. Ao ir para Escola não devemos apenas esperar pelo trabalho do Professor, os pais devem agir em conjunto estimulando seus filhos a leitura, ao aprendizado. Trabalhar junto com a Escola é de extrema importância.
    Muito bom o artigo!!

    Resposta
  • 27/10/2020 em 22:45
    Permalink

    Não podemos deixar de colocar em prática tudo que estamos aprendendo, em todo conteúdo vem falando da importância de quanto mais nova a criança grandes são as chances de obter melhor sua capacidade.

    Resposta
    • 06/11/2020 em 3:40
      Permalink

      É importante entender como a neuro plasticidade está mais latente na primeira infância, assim devemos cada vez mais trabalhar com as crianças da educação infantil conteúdos lúdicos, para que adquira o saber através das brincadeiras.

      Resposta
      • 17/11/2020 em 16:40
        Permalink

        Concordo plenamente com a sua colocação, a educação infantil, acontece a partir da ludicidade.

        Resposta
  • 26/10/2020 em 21:02
    Permalink

    É muito importante adquirir conhecimentos sobre as funções do cérebro , mesmo que de forma compacta . Considero também de relevante importância , a insistência , atenção e dedicação dos pais e profissionais envolvidos nestes processos de aprendizagem e desenvolvimento !

    Resposta
  • 25/10/2020 em 1:31
    Permalink

    é prazeroso conhecer novos conhecimentos para utilizar no dia a dia com os alunos, criando novas propostas para uma nova abordagem.

    Resposta
  • 25/10/2020 em 1:25
    Permalink

    O texto é muito bom mostra as funções do nosso cérebro.

    Resposta
  • 23/10/2020 em 1:56
    Permalink

    O texto traz reflexões sobre a importância de estimular a criança desde bebê para o seu desenvolvimento cognitivo, motor e afetivo.

    Resposta
  • 21/10/2020 em 1:29
    Permalink

    Sabemos como é importante a ciência estar unida a educação, pois através da Neuroeducação integrada a todas as áreas podemos desenvolver o cognitivo e a potencialização das inteligências, estimulando a atividade física e mental de cada pessoa.

    Resposta
    • 31/10/2020 em 20:59
      Permalink

      É de suma importância o estudo da neurociência, entender a neuroplastia e saber como se desenvolve o cérebro

      Resposta
  • 20/10/2020 em 22:27
    Permalink

    Foi ótimo esse capítulo!!

    Resposta
  • 20/10/2020 em 19:55
    Permalink

    ESTOU ACHANDO SUPER IMPORTANTE ESTARMOS ESTUDANDO A LUZ DA NEUROCIÊNCIA.

    Resposta
  • 20/10/2020 em 19:29
    Permalink

    Muito irá contribuir para minha prática no trabalho com surdos

    Resposta
  • 20/10/2020 em 13:52
    Permalink

    Essa diversidade favorece todos os alunos. Desde os que necessitam de um atendimento especial aos consideradossuper dotados

    Resposta
    • 24/11/2020 em 19:41
      Permalink

      O estudo do cérebro é de suma importância tanto para docentes quanto para pais e responsáveis.
      Portanto,todos precisam buscar condições para que possam contribuir com uma aprendizagem significativa.

      Resposta
  • 19/10/2020 em 23:07
    Permalink

    Este curso, está abrindo ainda mais a minha mente. Quão importante é o olhar do professor para com seus alunos. Me fez compreender inclusive, coisas da minha aprendizagem. O modo como fui alfabetizada…

    Resposta
  • 18/10/2020 em 22:19
    Permalink

    A aprendizagem é mais prazerosa através da ludicidade ,da experiência concreta e da vontade do indivíduo de aprender(motivação).Não devemos nunca descartar as aprendizagens múltiplas que devem ser exploradas para melhor efeito.

    Resposta
    • 26/10/2020 em 18:51
      Permalink

      Curso de grande utilidade para a prática em sala de aula .Além de nos garantir um aprofundamento na neurociência, tão necessária para entendermos ainda mais o funcionamento do cérebro das crianças.

      Resposta
  • 15/10/2020 em 17:04
    Permalink

    Muito importante identificar a habilidade que o aluno possui e transforma -la em mola impulsionadora para o crescimento deste indivíduo.

    Resposta
  • 15/10/2020 em 13:40
    Permalink

    Muito interessante e esclarecedor.
    Pautando como é importante o nosso cérebro e a memória no aprendizado do aluno.
    Parabéns.

    Resposta
  • 15/10/2020 em 2:12
    Permalink

    Ótimo texto, agregou bastante o meu conhecimento.

    Resposta
  • 15/10/2020 em 1:47
    Permalink

    Ótimo curso para professores principalmente,!

    Resposta
  • 14/10/2020 em 23:48
    Permalink

    Acredito que artes e atividade física andam juntos na educação da criança

    Resposta
  • 14/10/2020 em 17:40
    Permalink

    Vou praticar os exergames e potencializar mais sinapses. Transformando o processo ensino-aprendizagem mais agradável , lúdico e eficaz . Muito bom estudar Neurociência. Parabéns pelas pesquisas.

    Resposta
  • 14/10/2020 em 14:25
    Permalink

    Essas aulas estão sendo significativas e enriquecedoras para o meu currículo e desenvolvimento da rotina diária com meus alunos. Um grande apoio técnico e teórico auxiliando e fazendo uma ponte entre TEORIA /PRÁTICA. Inclusive, fiquei tão interessada que fiz matrícula para Pós Graduação em Neuropsicopedagia , que há muito tempo desejava.

    Resposta
  • 14/10/2020 em 12:54
    Permalink

    Muito importante para trabalhar com os alunos em sala de aula, lendo a matéria descobri novidades que irá me ajudar muito. vi que há muitas possibilidades de desenvolver o aprendizado dos alunos como também dos profissionais de educação . É isso, estudar faz muito bem para o desenvolvimento da humanidade. Que venham outros cursos assim.
    Obrigada pela contribuição.

    Resposta
  • 14/10/2020 em 11:49
    Permalink

    Bom dia, achei o artigo interessante. Um dos pontos relevantes é que devemos estimular a criança desde o nascimento, pois assim é trabalhado vários sentidos. A neurociência tem uma relação fundamental no processo educacional.

    Resposta
  • 14/10/2020 em 0:21
    Permalink

    A importância das atividades artísticas na estimulação da capacidade intelectual da criança, observando todo um conjunto de reflexos básicos no desenvolvimento cognitivo , motor e afetivos.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 23:09
    Permalink

    Pra mim todos os tópicos e temas abordados são de grande importância para melhor entendimento de como se dá a aprendizagem e de tudo que a envolve,enriquecendo nossas práticas pedagógicas.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 20:50
    Permalink

    Os bebês devem ser estimulados desde o período pré-natal, conversar, cantar, desenvolve habilidade ao longo do seu crescimento. Isso é importante nos períodos críticos e se estende no período sensível, na adolescência. Quando completa o desenvolvimento morfofuncional.
    O mercado eletrônico investe diariamente em novas tecnologias, um exemplo é o exergames. Acho importante esses jogos para o desenvolvimento mental e físico das crianças e jovens, já que eles estão cada vez mais conectados.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 18:29
    Permalink

    Gostei muito dessas aulas

    Resposta
  • 13/10/2020 em 17:58
    Permalink

    O estímulo ao potencial da criança ser desenvolvido desde o seu nascimento favorece o seu desenvolvimento global.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 15:07
    Permalink

    Penso que, para o indivíduo chegar a um processo pleno de aprendizagem, teriam que ser assistidos desde a fase prénatal, com acompanhamento desses pais, orientados por diversos profissionais.
    A educação infantil, requer um currículo próprio, para que essas dificuldades, sejam sanadas.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 14:20
    Permalink

    Este texto nos mostra a importância de se trabalhar com a criança desde do nascimento, terá grande chance de obter uma rede de conexões. tendo uma maior capacitação de associações, ou seja no aspecto cognitivo, motor e afetivo envolvido nos processos. Com certeza melhor rendimento na aprendizagem escolar.

    Resposta
  • 13/10/2020 em 0:22
    Permalink

    O apice da questão esta no trabalho integrado entre áreas, adotando uma perspectiva exploratória para o desenvolvimento cognitivo e a potencialização das inteligências.

    Resposta
  • 12/10/2020 em 23:13
    Permalink

    Muito interessante esse estudo de janelas de oportunidades. Precisamos levar essas inovações para as nossas escolas.

    Resposta
  • 12/10/2020 em 18:56
    Permalink

    É muito importante que asa crianças sejam estimuladas desde bebê para que construa sua aprendizagem e desenvolva suas habilidades cognitivas.

    Resposta
  • 12/10/2020 em 15:01
    Permalink

    A criança deve ser estimulada desde o nascimento para um melhor desenvolvimento .

    Resposta
  • 12/10/2020 em 3:06
    Permalink

    Com a ciência evoluindo bastante, e com uma tecnologia cada vez mais avançada, o que nos possibilita compreendermos melhor como funcional o cérebro, fica bem mais fácil aplicar todo esse conhecimento para melhor ajudarmos a criança, o aluno no seu desempenho escolar, e no seu desenvolvimento e progresso como pessoa.
    Esse estudo da Neurociência é fascinante.

    Resposta
  • 11/10/2020 em 23:28
    Permalink

    Jogos inseridos no processo de aprendizagem é uma boa maneira de atrair a atenção dos alunos e com isso acender uma participação mais significativa nas aulas. O lúdico é muito bem aceito entre eles.

    Resposta
  • 11/10/2020 em 16:01
    Permalink

    O importante que o professor elabore atividades criativas e envolvente. Se a atividade for envolvente o professor será capaz de atingir seu objetivo com grande parte dos alunos.

    Resposta
  • 11/10/2020 em 14:16
    Permalink

    Aprendi que a criança que quando trabalhada desde o nascimento tera grande chance de obter uma melhor rede de conexoes. Proporcionando uma maior capacidade de associaçoes, gerando uma maior probabilidade de soluçoes de problemas levando em consideraçao os aspectos cognitivos e os aspectos motores e afetivos no processo

    Resposta
    • 30/11/2020 em 2:58
      Permalink

      O desenvolvimento da mente humana é fantástico. Muito interessante!

      Resposta
  • 10/10/2020 em 15:31
    Permalink

    simplesmente encantada e agradecida pelos ensinamentso

    Resposta
  • 10/10/2020 em 0:48
    Permalink

    Acredito que esses estudos neurocientificos são o futuro da educacão . O educador terá que se reciclar dentro desses estudod e experimentos para estsr habilitado para desenvolver essas técnicas e estrtégias educadoras.

    Resposta
  • 09/10/2020 em 20:44
    Permalink

    Achei muito interessante o tema, foi abordado de forma ampla, mostrando que o trabalho deve ser feito interligado com as artes e a atividade física podendo assim, auxiliar o desenvolvimento cognitivo.

    Resposta
  • 09/10/2020 em 15:39
    Permalink

    A criança que tem a oportunidade de desenvolver desde cedo as habilidades interagindo com a família e ambiente terá maior chance de trabalhar varias areas do seu cerebro

    Resposta
  • 09/10/2020 em 13:28
    Permalink

    Bom dia !
    Muito interessante o universo da Neurociência e esclarecedor . Faz com que tenhamos uma visão mais abrangente da relação orgânica-funcional e a aprendizagem.

    Resposta
  • 09/10/2020 em 13:08
    Permalink

    Diante do texto podemos concluir que , grandes e significantes são as contribuições que os estudos neurocientíficos apontam para a pratica da educação, desde a infantil ao nível mais elevado.

    Resposta
  • 09/10/2020 em 2:41
    Permalink

    Nos primeiros anos de vida, ocorre o crescimento a maturação e a seleção funcional de diferentes estruturas do sistema nervoso e que uma criança que seja trabalhada desde o nascimento terá grande chance de obter uma melhor capacidade de associações e de soluções de problemas, não apenas no aspectos cognitivos, mas também motores e afetivos.

    Resposta
  • 08/10/2020 em 19:58
    Permalink

    Toda criança precisa de um processo de ensino aprendizagem agradável e eficaz.

    Resposta
  • 08/10/2020 em 19:21
    Permalink

    Nao tenho

    Resposta
  • 08/10/2020 em 17:43
    Permalink

    Por tudo que foi estudado e analisado, afirmo e confirmo a necessidade da psicomotricidade e atividades motoras na educação infantil . Super importante no desenvolvimento da crianca.

    Resposta
  • 08/10/2020 em 14:04
    Permalink

    Conteúdo muito bom ,o desenvolvimento da mente humana e uma coisa maravilhosa.

    Resposta
  • 08/10/2020 em 13:21
    Permalink

    Muitíssimo interessante essa matéria.Curso rico em conhecimentos para nós professores.

    Resposta
  • 08/10/2020 em 5:37
    Permalink

    Neuroeducação é o desenvolvimento do sistema nervoso e as inteligências. Viabilizando uma maior capacidade de associações , e maior probabilidade de solução de problemas,considerando não apenas os aspectos cognitivos , mas os motores, e afetivos envolvidos no processo.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 21:27
    Permalink

    Extremamente enriquecedor!! Material para ser lido e relido constantemente.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 20:57
    Permalink

    O texto é muito bom, traz assuntos que desconhecia e revela o quanto é complexo o cérebro humano.
    As diversas inteligências precisam ser trabalhadas desde o nascimento , integrando-as e fazendo com que o ser humano possa desenvolver-se plenamente.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 19:06
    Permalink

    As inteligências são múltiplas portanto, o trabalho integrado entre todas as áreas do conhecimento incluindo as artes e a atividade física, favorece o desenvolvimento cognitivo e potencializa a aprendizagem.
    Isso vai ocorrer não apenas nos aspectos cognitivos, mas também os aspectos motores e afetivos envolvidos no processo.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 17:54
    Permalink

    Este projeto permite que os profissionais da educação compreendam com mais clareza o funcionamento do cérebro e suas ações.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 9:52
    Permalink

    Como é importante o estímulo da família desde o ventre, a continuidade ao nascer; a escola complementa o estimulo e a aprendizagem da criança para esta poder desenvolver as habilidades, descobrir também suas potencialidades.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 2:48
    Permalink

    Muito interessante esta abordagem. A busca do projeto de propiciar um processo de ensino-aprendizagem mais agradável e eficaz, com intencionalidade pedagógica, liberdade, conscientização de seus atos na sociedade e respeito ao ritmo de aprendizagem de cada aluno, na certa, potencializa as inteligências de forma natural.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 1:43
    Permalink

    Eu estou gostando de ampliar os meus estudos acerca das contribuições da neurociência visto que foi em 2008/2009 que eu tive a oportunidade em estudar essa disciplina no curso de pós-graduação em Psicopedagogia pelo IBMR e a relação das crianças com o saber e o não saber. Porém como professora da Educação Infantil, eu percebo que algumas crianças têm enfrentado grandes dificuldades de aprendizagem mesmo após a realização de atividades concretas ou lúdicas. E, para tentar investigar os fatores que distanciam a relação das crianças com o saber, eu preciso estudar as abordagens mais recentes sobre essa temática.

    Resposta
  • 07/10/2020 em 0:06
    Permalink

    A emoção é capaz de interferir no processo de retenção de informação. É preciso motivação para aprender. O cérebro se modifica em contato com o meio durante toda a vida. A formação da memória é mais efetiva quando a nova informação é associada a um conhecimento prévio.
    O professor, deve se nutrir das informações que surgem, buscando orientações seguras, e não praticar fórmulas mágicas para a sala de aula criadas sem embasamento científico. “A Neurociência mostra que o desenvolvimento do cérebro decorre da integração entre o corpo e o meio social. O educador precisa potencializar essa interação por parte das crianças”, afirma Laurinda Ramalho de Almeida, professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e especialista em Wallon.

    Resposta
  • 06/10/2020 em 22:31
    Permalink

    Em relação as Múltiplas Inteligências , é prazeroso aprender com algo que gostamos, e por que não aproveitar? Acho muito importante essa conexão do lúdico com as mídias, porém tudo tem que ser muito bem estudado, planejado e dosado, pois uma criança que leva muito tempo na frente de um computador ou um jogo (vídeo game) pode acarretar hábitos não saudáveis para o bem estar da criança/adolescente.

    Resposta
  • 06/10/2020 em 18:12
    Permalink

    Conhecer como funciona o cérebro é importante entender como suas funções trabalham em em sincronia.

    Resposta
  • 06/10/2020 em 17:52
    Permalink

    Problrmas comDEL podem estar ligados a neuroplasticidade? Uma criança com 4 anos que apresenta disturios na linguagem (DEL) consegue superar as dificuldades com estratégias que ajudem a desenvolver suas habilidades?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *