«

»

jun 29

Imprimir Post

Beijo: uma química muito saudável

 Como um beijo funciona?

A química de um beijo

Em um beijo apaixonado acontece a dilatação dos vasos sanguíneos para o cérebro receber mais oxigênio do que o normal. As bochechas ficam rosadas, o pulso acelera e nossa respiração fica descontrolada e intensa. As pupilas dilatam, o que, talvez, explicar o porque muitas pessoas fechem os olhos durante este momento.  

Homúnculo de Penfield: um modelo das áreas mais inervadas de nosso corpo

Ele age como uma “droga”, estimulando a liberação de neurotransmissores, que são substâncias químicas importantes utilizadas na comunicação entre células excitáveis. Para você ter ideia, um beijo ativa cinco dos doze principais nervos cranianos que passam por diversas partes do nosso rosto, alem de provocar mudanças como o conhecido “friozinho na barriga”, aquele acelerar incontrolável do coração e da respiração. Vale lembrar que os lábios estão localizados em uma região cheia de terminações nervosas e que as informações recebidas serão enviadas para o nosso cérebro. Aliás, foi por isso que, a partir de estudos, fizeram uma figura bem engraçada, chamada Homúnculo de Penfield,  mostrando quais são as partes do corpo mais sensíveis. Advinha como ficaram representdos os lábios e a língua?

Se existir uma boa “química” entre o casal, o beijo certo pode liberar uma grande mistura de hormônios (outro tipo de substância química) que espalham uma série de informações pelo nosso cérebro e pelo corpo todo.

Sinapse: uma área entre os neurônios

Beijar deixa o nosso corpo super ocupado e pode fazer nossos pensamentos confusos e mais ocupados a

inda tentando entender uma grande quantidade de informações, enquanto bilhões de pequenas conexões nervosas (sinapses, figura…) mandam sinais para ajudar a decidir o que irá acontecerem seguida. Osimpulsos nervosos causados pelo beijo aumentam a comunicação entre o cérebro e diversas partes do corpo: glândulas, coração, vísceras, língua, músculos faciais, lábios e pele. Esses impulsos resultam na liberação de neurotransmissores que influenciam o como nos sentimos e pensamos. Uma das mais importantes substâncias envolvidas no beijo é a dopamina, que nos dá a sensação de motivação e prazer, alem de sempre querer mais! Mas a dopamina é só uma das muitas substâncias envolvidas com o beijo.Será normal um beijo te deixar confuso ou fora do ar? Claro! O beijo certo pode mexer inteiramente com a química do nosso corpo, fazendo a gente se sentir naturalmente “altos”, só que sem nos causar mal e sem prejudicar a nossa saúde.Então, galera, em vez de ficar pensando em como deve ser experimentar uma droga, vamos pensar em como fazer pra beijar aquele gatinho ou gatinha da sua escola. Porque se você quer saber como é a sensação de ficar nas nuvens, nada melhor do que dar muuuuuuuito beijo! =D


 Por Tainá Assis

(Bolsista de Pré-Iniciação Científica, de Ciências e Cognição)

Link permanente para este artigo: http://cienciasecognicao.org/neuroteen/?p=116

6 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Ariana

    Adorei Tainá, muito bom rs 🙂

  2. moema góes

    Muito boa a sua pesquisa! Parabéns!

    1. cienciasecognicao

      Obrigada pelo elogio, Moema.E continue nos acompanhando.

  3. Pandora

    Dei meu primeiro beijo ontem. Tenho 17 anos. Não senti nada empolgante, e quem me beijou eh apaixonado por mim. Não entendi. Pensei que sentiria uma empolgaçao maior como tudo diz, mas .. Nada. Foi como se fosse algo “normal”, neutro.

    1. cienciasecognicao

      Olá, Pandora! A experiência do primeiro beijo vem junto com uma série de questões psicológicas, tais como expectativas, ideias prévias, ansiedade e outros. Isso sem falar dos aspectos do contexto, ou seja, momento adequado, pessoa adequada, etc. O “segredo” é não “esperar efeitos” e simplesmente sentir.

  4. Jessica Simone

    Amei esse assunto !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>