Metáforas da lama

multimodalidade e argumentação em discursos sobre sustentabilidade e rompimento de barragens de rejeitos de minério de ferro

Autores

  • Priscilla Chantal Duarte Silva Instituto de Ciências Puras e Aplicadas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil
  • Ricardo Shitsuka Instituto de Engenharias Integradas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil
  • Ricardo Luiz Perez Teixeira Instituto de Engenharias Integradas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil

Palavras-chave:

multimodalidade, cognição, argumentação, rompimento de barragem de rejeitos

Resumo

As barragens de rejeito de minério de ferro fazem parte do processo de mineração no Brasil. Trata-se de uma técnica antiga envolvendo diversas tecnologias para torná-la mais segura. A constante vigília e cuidado sobre essas estruturas tornaram-se uma rotina frequente das mineradoras para evitar possíveis rupturas dessas barragens. Após o rompimento da barragem de rejeitos de minério em Brumadinho-MG e Mariana-MG muitos discursos com elementos metafóricos acerca da sustentabilidade e a prática de uso de barragens de rejeitos foram sustentados por uma intencionalidade discursiva voltada para a crítica social. O objetivo deste estudo é identificar e analisar o uso de metáforas conceptuais presentes como elementos multimodais na argumentação textual, numa perspectiva sociocognitiva e interacional da linguagem. Para isso, adota-se uma pesquisa expo-facto. O viés teórico da intencionalidade discursiva na linha de Searle; o caráter de modelos mentais, representações sociais e conhecimento sociocultural tal com prevê Van Dijk, a visão sociosemiótica de Geeraerts para compreender como argumentação por meio do campo imagético das charges é construída e sustentada socialmente e o dialogismo na perspectiva de Meyer a partir da argumentação. Nessa perspectiva sociocognitiva e interacional, o texto é pensado como uma construção linguístico-discursiva na qual a intencionalidade está relacionada com os modelos mentais resultantes de representações construídas a partir da experiencia do sujeito em sociedade e das práticas interacionais. Nesse contexto, o texto contempla uma gama de operações cognitivas interligadas como direciona Marscuschi. Constitui-se um corpus de charges publicadas na mídia brasileira, orientadas para a temática do rompimento de barragens de rejeitos de minério de ferro para a análise do aparecimento de metáforas conceptuais. Conclui-se que as metáforas se constituem recursos multimodais na orientação argumentativa e revelam metáforas do medo e da lama envolvendo um discurso do horror sobre a tragédia das cidades de Brumadinho e Mariana.

 

Biografia do Autor

Priscilla Chantal Duarte Silva, Instituto de Ciências Puras e Aplicadas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil

Professora Adjunta da Universidade Federal de Itajubá, na área de Comunicação e Expressão e Metodologia de Pesquisa, nas Engenharias. Graduou-se em Letras com Habilitação em Português / Inglês pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2005) (CAPES 5), obteve título de Mestre em Linguística e Língua Portuguesa pela mesma instituição (2008) (bolsista CAPES). Em seu mestrado, estudou, na Análise do discurso e na Filosofia da Linguagem, a intencionalidade da mente, com um enfoque na intencionalidade discursiva em charges políticas, visando identificar a direcionalidade semântica nesse gênero textual. Em 2013, concluiu doutoramento em Linguística e Língua Portuguesa, também pela PUC-MG, investigando a relação da leitura com os processos mnemônicos, em pacientes com Alzheimer. 

Ricardo Shitsuka, Instituto de Engenharias Integradas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil

Professor Associado na UNIFEI - Itabira. Doutor em Ensino. Mestre em Engenharia de Materiais e Metalurgia. Graduações: Engenharia, Odontologia, Licenciatura em Computação e Pedagogia. Lider do Grupo Pesquisas MEAC e ex-editor do periódico Research Society and Development. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências (PPGEC) da UNIFEI.

Ricardo Luiz Perez Teixeira, Instituto de Engenharias Integradas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Brasil

Professor adjunto na Universidade Federal de Itajubá Campus de Itabira, Curso de Engenharia dos Materiais. Doutor em Ciências, Engenharia Metalúrgica e de Materiais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011) com doutorado em cotutela em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (2011), Mestre em Engenharia Metalúrgica e de Minas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), Graduado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996) e especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998). Professor de magistério superior pela Universidade Federal de Itajubá campus avançado de Itabira para cursos envolvendo materiais metálicos e compósitos (2013). Associado à ABM: Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração e à SME: Sociedade Mineira de Engenheiros.

Referências

Bechtel, W. (2008). Mental mechanisms: Philosophical perspectives on cognitive neuroscience. Taylor & Francis.

Bender, A., & Beller, S. (2013). Cognition is… fundamentally cultural. Behavioral Sciences, 3(1), 42-54.

Blair, A. J. (2015). Probative norms for multimodal visual argument. Argumentation, 29, pp.217-233. doi: 10.1007/s10503-014-9333-3.

Brandimonte, M. A., Bruno, N., & Collina, S. (2006). In P. Pawlik and G. d’Ydewalle (Eds.) Psychological Concepts: An International Historical Perspective. Hove, UK: Psychology Press.

Bronckart, J. P. (2006). Interacionismo sócio-discursivo: uma entrevista com Jean Paul Bronckart. Revista Virtual de Estudos da Linguagem-ReVEL, 4(6), 1-29.

Brown, T. L. (2003). Making truth: metaphor in science. Chicago: University of Illinoi Press. Urbana e Chicago.

Chaney, D. W. (2013). An overview of the first use of the terms cognition and behavior. Behavioral Sciences, 3(1), pp.143-153.

Charaudeau, P. (2013). Discurso das mídias. Tradução Angela M. S. Corrêa. 2. ed., 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto.

Coimbra, R. L. (2006). Metáfora poética e analogia científica: um ponto de encontro. In: 6º Congresso da AIL, 2006. http://www.inforum.insite.com.br.

Courtine, J.J. (2011). El concepto de formación discursiva. In Baronas, R. L. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. rev. ampl. São Carlos (SP): Pedro & João Editores.

Derrida, J. (1975). Of Grammatology. Trad. G. C. Spivak. Baltimore and London: Johns Hopkins University Press.

Elias, V. M. (2016). Estudos do Texto, multimodalidade e argumentação: perspectivas. Revista Revel, 14(12).

Emmorey, K. (2014). Iconicity as structure mapping. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 369(1651), 20130301.

Forbus, K. D., & Gentner, D. (1989). Structural evaluation of analogies: What counts? Proceedings of the Eleventh Annual Conference of the Cognitive Science Society, 1989, pp. 341-348

Geeraerts, D. (2016). The sociosemiotic commitment. Cognitive linguistics, 27(4), pp.527-542.

Geeraerts, D., & Cuyckens, H. (2007). Introducing cognitive linguistics. In: Geeraerts, D., & Cuyckens, H. The Oxford handbook of cognitive linguistics. New York: Oxford University Press.

Gentner, D.; Bowdle, B. (2008) Metaphor as structure-mapping. In: Gibbs, R.W. The Cambridge handbook of metaphor and though. New York: Cambridge University Press.

Gentner, D., & Maravilla, F. (2018). Analogical reasoning. In L.J. Ball, V.A. Thompson (Eds.), eds.), International Handbook of Thinking & Reasoning. New York: Psychology Press, pp. 186-203.

Hoffmann, M. H. (2016). Reflective argumentation: A cognitive function of arguing. Argumentation, 30(4), pp.365-397.

Houwer, J., Barnes-Holmes, D., & Barnes-Holmes, Y. (2016). What is cognition? A functional-cognitive perspective. Core Processes of Cognitive Behavioral Therapies. Oakland, CA: New Harbinger.

Instituto Brasileiro De Mineração (IBRAM). (2019). Gestão e Manejo de Rejeitos da Mineração/Instituto Brasileiro de Mineração; organizador, Instituto Brasileiro de Mineração. 1.ed. - Brasília: IBRAM, 2016.128 p. ISBN: 978-85-61993-10-8. http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00006222.

Kintsch, W. (2008). How the mind computes the meaning of metaphor: A simulation based on LSA. In: Gibbs, R. W. The Cambridge handbook of metaphor and though. New York: Cambridge University Press.

Lakoff, G. (1990). The invariance hypothesis: is abstract reason based on image-schemas? Cognitive Linguistics, 1(1), 1990. pp.39-40.

Lakoff, G. (2006). Conceptual metaphor: the contemporary theory of metaphor. In: Geeraerts, Dirk. Cognitive Linguistics: basic readings. Berlim: 2006, pp. 185-238.

Lakoff, G., & Johnson, M. (2002). Metaphors we live by. Cambridge: Cambridge University Press, 1980. Metáforas da vida cotidiana. Tradução pelo grupo GEIM. São Paulo: Educ/Campinas: Mercado de Letras.

Maciel, A.M. B.; & Silva, P. V. (2011). A metáfora na terminologia ambiental. In: Congresso Internacional sobre Metáfora na Linguagem e no Pensamento (4, 2011: Porto Alegre). Anais. Porto Alegre: Instituto de Letras da UFRGS.

Marcuschi, L. A. (2007). Coerência e cognição contingenciada. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, pp.13-30.

Mayer, B. (2008). A arte de argumentar: com exercícios corrigidos, tradução Ivone C. Benedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Moles, R., Foley, W., Morrissey, J., & O'Regan, B. (2008). Practical appraisal of sustainable development—Methodologies for sustainability measurement at settlement level. Environmental Impact Assessment Review, 28(2-3), pp.144-165.

Mondada, L. (2008). Documenter l’articulation des ressources multimodales dans le temps: la transcription d’enregistrements vidéos d’interactions. In: M. Bilger (org.), Données orales: Les enjeux de la transcription. Perpignan, Presses Universitaires de Perpignan, pp.127-156.

Neisser, U. (2014). Cognitive psychology: Classic edition. Psychology press.

Oswald, S., Ribs, A. (2014). Metaphor as argument: rhetorical and epistemic advantages of extended metaphors. Argumentation, 28, 2014, p.133–159. Doi: 10.1007/s10503-013-9304-0

Overskeid, G. (2008). They should have thought about the consequences: The crisis of cognitivism and a second chance for behavior analysis. The Psychological Record, 58(1), pp.131-151.

Paula, E.C., & Shitsuka, R. (2011). Avaliação das noções de sustentabilidade em três cursos de engenharia. Enciclopédia Biosfera, 7(13), pp.1084-1092. http://www.conhecer.org.br/enciclop/2011b/ciencias%20ambientais/avaliacao%20das%20nocoes.pdf

Paveau, M. A. (2013). Genre de discours et technologie discursive. Tweet, twittécriture et twittérature. Pratiques. Linguistique, littérature, didactique, (n. 157-158), pp. 7-30.

Paveau, M. A. (2012). Ce que disent les objets. Sens, affordance, cognition. Synergies Pays riverains de la Baltique, (9), pp.53-65.

Pêcheux, M. (1993). Análise automática do discurso. Tradução de Eni Orlandi. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux, 2, pp. 61-161.

Perelman, C. (1987). Argumentação-In Enciclopédia Einaudi vol. 11. Lisboa: Imprensa.

Perlovsky, L., & Sakai, K. L. (2014). Language and cognition. Frontiers in behavioral neuroscience, 8, p.436.

Plantin, C. (2002). Analyse et critique du discours argumentatif. In: R. Koren & R. Amossy (éds.), Après Perelman: quelles politiques pour les nouvelles rhétoriques? L’argumentation dans les sciences du langage. Collection: Sémantiques. Paris: L’ Harmattan., pp.229-263.

Rafael, H. M. A. M. (2012). Análise do potencial de liquefação de uma barragem de rejeito. [Dissertação]. Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro–PUC–RIO, Rio de Janeiro, Brasil.

Sachs, I. (2000). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, Garamond.

Searle, J. R. (2002). Intencionalidade. Trad. Julio Fischer e Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Martins Fontes.

Semino, E., & Steen, G. (2008). Metaphor in literature. In: Gibbs, R. W. The Cambridge handbook of metaphor and though. New York: Cambridge University Press, pp. 232-240.

Silva, P. C. D. (2008). A intencionalidade discursiva: Estratégias de humor crítico usadas na produção de charges políticas.

Teixeira, R. L. P., Teixeira, C. H. S. B., de Araújo Brito, M. L., & Silva, P. C. D. (2019). Os discursos acerca dos desafios da siderurgia na indústria 4.0 no Brasil/The discussions about the challenges of steel industry 4.0 in Brazil. Brazilian Journal of Development, 5(12), pp.28290-28309.

Toulmin, S., Rieke, R., & Janik, A. (1984). An introduction to reasoning. Macmillan Publishing Company, New York.

Tseronis, A., & Forceville, C. (2017). Multimodal argumentation and rhetoric in media genres. Amsterdam/ Philadelphia: University of Amsterdam.

Van Dijk, T. A. (2012). Discurso e contexto: uma abordagem sociocognitiva. São Paulo: Contexto.

Van Eemeren, F.H. V, & Grootendorst, R. (2004). A Systematic Theory of Argumentation: the pragma-dialectical approach. Cambridge University Press.

Van Leeuwen, T. (2011). Multimodality. In: Simpson, J. (Ed.). The Routledge handbook of applied linguistics. New York: Routledge, pp.668-682.

Venturini, L. D. B, & Lopes, L. F. D. (2015). O Modelo Triple Bottom Line e sustentabilidade na Administração Pública: Pequenas Práticas que fazem a diferença. [Especialização, Universidade Federal de Santa Maria]. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/11691/Venturini_Lauren_Dal_Bem.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Vereza, S. C. (2010). O lócus da metáfora: linguagem, pensamento e discurso. Cadernos de Letras da UFF, Dossiê: Letras e cognição, n. 41, 2010, pp. 199-212.

Vigliocco, G., Perniss, P., & Vinson, D. (2014). Language as a multimodal phenomenon: implications for language learning, processing, and evolution. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 2014 Sep 19; 369(1651), p. 20130292. doi: 10.1098/rstb.2013.0292

Weiskopf, D. A. (2010). Embodied cognition and linguistic comprehension. Studies in History and Philosophy of Science Part A, 41(3), pp.294-304.

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Silva, P. C. D., Shitsuka, R., & Teixeira, R. L. P. (2021). Metáforas da lama: multimodalidade e argumentação em discursos sobre sustentabilidade e rompimento de barragens de rejeitos de minério de ferro. Ciências & Cognição, 26(2). Recuperado de http://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1659

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles