Funções executivas em crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem

Autores

  • Sofia Osório Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
  • Alanny Nunes de Santana Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Monilly Ramos Araujo Melo Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Palavras-chave:

FUNÇÕES EXECUTIVAS, CRIANÇA, DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM

Resumo

As Funções Executivas (FE) podem ser definidas como um grupo complexo e integrado de recursos cognitivos que permitem ao sujeito efetuar comportamentos voltados a fins previamente decididos. Alterações nessas habilidades, preditoras de uma boa prática acadêmica, podem desencadear dificuldades no processo de aprendizagem de crianças. Logo, objetivou-se apurar a relação entre FE e dificuldades de aprendizagem em crianças com idades entre 7 e 11 anos de ambos os sexos, atendidas em um centro especializado nessa demanda para o público infantil. Foram utilizadas as ferramentas Five Digit Test (FDT) e um questionário sociodemográfico para a coleta de dados. Foram feitos estudos estatísticos descritivos e correlacionais por meio do software SPSS para Windows, a partir dos quais descrevemos correlações significativas entre os componentes executivos ‘Controle Inibitório’ e ‘Flexibilidade Cognitiva’ e as dificuldades de aprendizagem, o que nos indica a importância destes para a execução acadêmica, bem como a relevância de métodos de avaliação das FE na primeira fase escolar, para assim prevenir/minimizar o impacto dessas dificuldades no curso do aprendizado. Pontua-se que foram descobertos impasses normativos para correção de erros no teste aplicado, criando limitações na pesquisa, assim, propõe-se uma ampliação de normatizações.

Biografia do Autor

Sofia Osório, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Graduanda em Psicologia pela UFCG - Universidade Federal de Campina Grande. Pesquisa e Desenvolvimento CNPq - Laboratório de Neuropsicologia e Inovação Tecnológica (CognitiveLab). Assessora de Análise de Dados Estatísticos - Laboratório de Neuropsicologia e Inovação Tecnológica (CognitiveLab).

Alanny Nunes de Santana , Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestra em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE, 2020). Pós-graduanda em Psicopedagogia pela Faculdade Estratego. Psicóloga formada pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG, 2012.2). Aperfeiçoamento em Psicologia Hospitalar e da Saúde pelo Centro Treinamento e Consultoria em Psicologia Hospitalar (CTCPH, 2016). Foi bolsista do programa Jovens Talentos para a Ciência financiado pela CAPES, no período de Agosto de 2013 à Agosto de 2014. Foi bolsista no Programa A Monitoria Acadêmica no CCBS: Contribuindo para a Construção do Conhecimento, no período de 2015 à 2016. Atualmente participa enquanto pesquisadora do Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Inovação Tecnológica - Cognitive Lab (UFCG).

Monilly Ramos Araujo Melo, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Doutora em Psicologia, área de concentração - Psicologia Cognitiva, pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Professora do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande - UFCG. Pesquisadora e Coordenadora do Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Inovação Tecnológica - Cognitive Lab (UFCG/CNPq), Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia Cognitiva e Cultura (Psicologia Cognitiva/UFPE/CNPq) e do Grupo de Pesquisa em Educação e Psicometria/UFPB/CNPq. Possui experiência em pesquisa, ensino e atuação na área de Avaliação Psicológica e Neuropsicológica Cognitiva, com ênfase na construção de instrumentos psicométricos informatizados para testagem adaptativa de habilidades cognitivas importantes para o desenvolvimento infantil e do adolescente. Em seu currículo Lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: avaliação neuropsicológica, cognição, aprendizagem, psicometria e tecnologia.

Referências

Alliprandini, P. M. Z., Lima, C. F., Oliveira, D. E. B. & Schiavoni, A. (2012). Diferenças entre gênero no uso de estratégias de aprendizagem na educação a distância. IX ANPED Sul: Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil, 9.

Amaral, M. V. (2018). Habilidades sociais de meninas e meninos no Ensino Fundamental I: associação com problemas de comportamento e desempenho escolar. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto – USP. Área de concentração: Psicologia em Saúde e Desenvolvimento. Ribeirão Preto, 2018.

Barros, P. M. & Hazin, I. (2013). Avaliação das Funções Executivas na Infância: revisão dos Conceitos e Instrumentos. Psicologia em Pesquisa, 7(1), 13-22, Janeiro-Junho de 2013. DOI: 10.5327/Z1982-1247201300010003.

Blair, C. & Razza, R. P. (2007). Relating Effortful Control, Executive Function, and False Belief Understanding to Emerging Math and Literacy Ability in Kindergarten. Child Development, March/April 2007, Volume 78(2), 647–663.

Brasil. (2016). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1, n. 98, p. 44-46.

Brasil, M. G. N. (2015). Disfunção Executiva e Fatores de Risco para Baixo Desempenho Escolar em Crianças e Adolescentes. [Dissertação] Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Medicina (FM), Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Goiânia, 2015.

Campos, M. C., Silva, M. L., Florêncio, N. C. & Paula, J. J. (2016). Confiabilidade do Teste dos Cinco Dígitos em adultos brasileiros. J Bras Psiquiatr. 2016;65(2):135-9.

Capovilla, A. G. S. & Dias, N. M. (2008). Desenvolvimento de Habilidades Atencionais em Estudantes da 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental e Relação com Rendimento Escolar. Rev. Psicopedagogia, 25(78): 198-211.

Corso, H. V., Sperb, T. M., Jou, G. I. & Salles, J. F. (2013). Metacognição e Funções Executivas: Relações entre os Conceitos e Implicações para a Aprendizagem. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Vol. 29(1), pp. 21-29.

Diamond, A. (2013). Executive functions. Annual review of psychology, 64, 135-168. ps://doi.org/10.1146/annurev-psych-113011-143750

Dias, N. M., Gomes, C. M. A., Reppold, C. T., Fioravanti-Bastos, A. C. M., Pires, E. U., Carreiro, L. R. R. & Seabra, A. G. (2015). Investigação da estrutura e composição das funções executivas: análise de modelos teóricos. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 17(2), 140-152. http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n2p140-152.

Dias, N. M., Menezes, A. & Seabra, A. G. (2010). Alterações das Funções Executivas em Crianças e Adolescentes. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 1(1), p. 80-95, jun. 2010.

Dias N. M. & Seabra A. G. (2013). Funções Executivas: Desenvolvimento e Intervenção. Temas sobre Desenvolvimento 2013; 19(107), 206-212.

Fernandes, R. (2015). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): Metas Intermediárias para a sua Trajetória no Brasil, Estados, Municípios e Escolas. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais ‘Anísio Teixeira’ – INEP Ministério da Educação – MEC.

Ferreira, A. A., Conte, K. M. & Marturano, E. M. (2011). Meninos com queixa escolar: autopercepções, desempenho e comportamento. Estudos de Psicologia, Campinas, 28(4), 443-451.

Ferreira, F. R. & Tabaquim, M. L. M. (2017). Habilidades Cognitivas de Escolares do Ensino Público e Privado: Estudo Comparativo de Pré-Competências para a Aprendizagem Acadêmica. Rev. Psicopedagogia 2017; 34(104): 126-36.

Ferreira, L. O., Zanini, D. S. & Seabra, A. G. (2015). Executive Functions: Influence of Sex, Age and Its Relationship With Intelligence. Paidéia, Vol. 25(62), 383-391. doi:10.1590/1982-43272562201512.

Gadelha, T.A., Melo, M.R.A., Santos, U.M.S. & Osório, S.A.A. (2019). Contribuição das Habilidades Metalinguísticas e das Funções Executivas no Processo de Aprendizagem: Uma Revisão Sistemática. In: Melo, M.R.A., Moreira, J.D.S. & Santana, A.N., Psicologia Baseada em Evidências: Integrando a Ciência com a Prática Profissional, Curitiba: CRV.

Gonçalves, A.O., Batista, C. L., Destro, G. & Morais, E. A. (2021). Músicos Adolescentes demonstraram melhor desempenho das Funções Executivas conforme exigência da tarefa? Research, Society and Development, v. 10(1), e45010111965. Doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11965.

Junior, C.A.M. & Melo, L.B.R. (2011). Integração de Três Conceitos: Função Executiva, Memória de Trabalho e Aprendizado. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Vol. 27(3), 309-314.

Kluwe-Schiavon, B., Viola, T. W. & Grassi-Oliveira, R. (2012). Modelos teóricos sobre construto único ou múltiplos processos das funções executivas. Revista Neuropsicología Latinoamericana, 4(2), 29-34.

León, C. B. R., Rodrigues, C. C., Seabra, A. G. & Dias, N. M. (2013). Funções Executivas e Desempenho Escolar em Crianças de 6 a 9 Anos de Idade. Rev. Psicopedagogia, 30(92): 113-120.

Lima, R. F., Travaini, P. P. & Ciasca, S. M. (2009). Amostra de Desempenho de Estudantes do Ensino Fundamental em Testes de Atenção e Funções Executivas. Rev. Psicopedagogia, 26(80): 188-99.

Luria, A. R. (1981). Fundamentos de Neuropsicologia. São Paulo: Edusp.

Mazer, S. M., Bello, A. C. D. & Bazon, M. R. (2009). Dificuldades de Aprendizagem: revisão de literatura sobre os fatores de risco associados. Psic. da Ed., São Paulo, 28, 7-21.

Miyake, A., Friedman, N. P., Emerson, M. J., Witzki, A. H. & Howerter, A. (2000). The unity and diversity of executive functions and their contributions to complex “frontal lobe” tasks: a latent variable analysis. Cognitive Psychology, 41, 49-100.

Noronha, A. P. P., Santos, A. A. A. & Sisto, F. F. (2006). Facetas do Fazer em Avaliação Psicológica. São Paulo: Vetor.

Osti, A. & Martinelli, S. C. (2014). Desempenho escolar: análise comparativa em função do sexo e percepção dos estudantes. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 40(1), 49-59.

Paiva, G. C. D. C., Fialho, M. B., Costa, D. D. S., & Paula, J. J. D. (2015). Validade ecológica do teste dos cinco dígitos e do oral trails test. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 74, 29-34.

Paterlini, L. S. M. (2017). Triagem e diagnóstico de dificuldades de aprendizagem - Aplicação e desfecho de avaliações interdisciplinares de uma série de casos. [Dissertação] Programa de Mestrado Profissional em Neurologia e Neurociências Clínicas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Ramos, A. A. & Hamdan A. C. (2016). O crescimento da avaliação neuropsicológica no Brasil: uma revisão sistemática. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 36(2), 471-485. Doi: 10.1590/1982-3703001792013.

Rodrigues, L. L. S., Rodrigues, N. A. & Melo, M. R. A. (2018). Dificuldades de Aprendizagem em Meninos e Meninas: Uma Revisão Sistemática com Metanálise. PSI UNISC, Santa Cruz do Sul, v. 2(2), 133-148.

Sedó, M., Paula, J. J. & Malloy-Diniz, L. F. (2015). FDT- Five Digit Test. Teste dos cinco dígitos. São Paulo: Hogrefe.

Siegel, S. (1975). Estatística no paramétrica. México: Trillas, 1975.

Urbina, S. (2007). Fundamentos da testagem psicológica (C. Dornelles, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 2004).

Verdejo-Garcia, A. & Bechara, A. (2010). Neuropsicología de las funciones ejecutivas. Psicothema, 22(2), 227-235.

Zucoloto, K. A. & Sisto, F. F. (2002). Dificuldades de aprendizagem em escrita e compreensão em leitura. Interação em Psicologia, 6(2), 157-166.

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Osório, S., Santana , A. N. de ., & Melo, M. R. A. (2021). Funções executivas em crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem . Ciências & Cognição, 26(2). Recuperado de http://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1667

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles