Elementos neurocognitivos da atenção seletiva para a compreensão da transição escolar de noções matemáticas

Autores

  • Laerte Silva da Fonseca Instituto Federal de Sergipe (IFS)
  • Kleyfton Soares da Silva Instituto Federal Goiano (IFG)

Palavras-chave:

atenção seletiva, neurocognição, transição escolar.

Resumo

A aprendizagem de noções matemáticas exige estratégias que favoreçam a “atenção seletiva” dos alunos de modo a considerar informações relevantes e ignorar as irrelevantes. O objetivo central desta pesquisa foi identificar as noções matemáticas que requisitam atenção seletiva, configurando-se, nesta pesquisa, como as mais importantes do Ensino Fundamental (EF) esperadas pelo Ensino Médio (EM). Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho teórico e documental. Considerou-se princípios da epistemologia das noções matemáticas, da análise de funções cognitivas em atividades de trigonometria e dos Níveis do Funcionamento do Conhecimento. Apropriou-se também de fundamentos neurocognitivos da atenção para a elaboração de uma matriz de referência, que serviu de lente para identificar os tipos e níveis de tarefas que requisitam atenção seletiva. Os resultados apontaram que existe um conjunto de conhecimentos no EF (Grandezas e Medidas) potencial motor para dar suporte aos pares de ideias fundamentais (BNCC, 2017), no que se refere às “relações e inter-relações” do EM. Como proposta baseada nas discussões deste trabalho, foram apresentados três tipos de tarefas que pretendem alcançar as exigências neurocognitivas e didáticas esperadas pela transição escolar entre o EF-EM.

Biografia do Autor

Laerte Silva da Fonseca, Instituto Federal de Sergipe (IFS)

Doutor e pós-doutor em Educação Matemática (UNIAN/SP), Docente do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (UFS). Especialista em Neuropsicologia (UNIFESP), Especialista em Neuroaprendizagem (Instituto Saber, BR). Graduando em Psicologia (Estácio/SE).

Kleyfton Soares da Silva, Instituto Federal Goiano (IFG)

Doutorando em Ensino de Ciências (USP), mestre pelo Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (UFS). Especialista em Neurociência e Educação (UCAM). Docente EBBT do Instituto Federal Goiano.

Referências

Artigue, M. (1988). Engenharia Didática. In: Brun, J. Didáctica das Matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget. Horizontes Pedagógicos, p. 193-217.

Artigue, M. (2004). Le défi de la transition secondaire-supérieur. Que peuvent nous apporter les recherches en didactique des mathématiques? Actes du premier congrès franco-canadien de sciences mathématiques. Toulouse.

Aranha, G. (2006). Jogos Eletrônicos como um conceito chave para o desenvolvimento de aplicações imersivas e interativas para o aprendizado. Ciências & Cognição, vol. 7.

Aranha, G. (2011). O processo de consolidação dos jogos eletrônicos como instrumento de comunicação e de construção de conhecimento. Ciências & Cognição, 3, 21-62.

Boyer, C. B. (1974). História da Matemática: tradução: Elza Furtado Gomide. São Paulo: Edgar Blücher.

Brousseau, G. (1998). Théorie des situations didactiques. Grenoble: La Pensée Sauvage.

Brasil. (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC: abril.

Cunha, C. da. (2011). Introdução à Neurociência. Campinas: Ed. Átomo.

Eves, H. (1992). História da geometria. São Paulo: Atual. (Coleção Tópicos de História da Matemática para sala de aula; v. 3)

Fonseca, L. S. (2011). Aprendizagem em Trigonometria: obstáculos, sentidos e mobilizações. São Cristóvão: UFS.

Fonseca, L. S. (2012). Funções Trigonométricas: elementos “de” & “para” uma engenharia didática. São Paulo: Livraria da Física.

Gazzaniga, M. S., Ivry, R., Mangun, G. (2006). Neurociência Cognitiva: a biologia da mente. Porto Alegre: Artmed.

Kandel, E. R., Schwartz, J., Jessell, T. M. Siegelbaum, S. A., Hudspeth, A. J. (2014). Princípios de neurociências. 5ed. Brasil: MCGRAW-HILL.

LeDoux, J. (2001). O cérebro emocional: os misteriosos alicerces da vida emocional. Rio de Janeiro: Objetiva.

Lent, R. (2002). Cem bilhões de neurônios. Rio de Janeiro: Atheneu.

Robert, A. (1997). Quelques outils d’analyse épistemologique et didactique de connaissances mathématiques à enseigner au lycée et à l’université. Actes de la IX école d’ete de didactique dês mathématiques. França: Houlgate.

Robert, A. (1998). Outils d’analyse des contenus mathématiques à enseigner au lycée et à l’université. Recherches en Didactique des Mathématiques, [S.l.], v. 18, n. 2, p.139-190.

Sholl-Franco, A., Assis, T. da S., Marra, C. (2010). Neuroeducação: caminhos e desafios. In.: Aranha, G. e Sholl-Franco, A. Caminhos da Neuroeducação. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Ciência e Cognição.

Sternberg, R. J. (2010). Psicologia Cognitiva. São Paulo: Cengage Learing.

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Fonseca, L. S. da, & Silva, K. S. da. (2021). Elementos neurocognitivos da atenção seletiva para a compreensão da transição escolar de noções matemáticas. Ciências & Cognição, 26(1). Recuperado de https://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1626

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles