Estratégias de aprendizagem para preparação em vestibular: eficácia de um treinamento de estratégias metacognitivas com alunos do último ano do ensino médio

Autores

  • Maria Gabriela Ramos Ferreira Universidade da Região de Joinville (Univille)
  • Ian Carlos Hübner Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Metacognição, estratégias de aprendizagem, ensino médio

Resumo

A utilização de estratégias de aprendizagem apresenta-se como uma ferramenta importante para os aprendizes em diversos âmbitos, como no desenvolvimento de competências em leitura e funções executivas. O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia de um programa de estratégias de aprendizagem aplicado a alunos do último ano do ensino médio através de simulados de vestibular. Tratou-se de uma pesquisa quasi-experimental, em que participaram dois grupos, um grupo experimental, submetido ao treinamento, com 19 participantes, e um grupo controle com 22 participantes. Avaliou-se a eficácia do programa de treinamento através do comparativo dos grupos em dois instrumentos de medida, um questionário sobre hábitos de estudo e estratégias utilizadas ao estudar, e dois simulados de vestibular, um aplicado antes do treinamento e outro depois dele. O grupo experimental apresentou maior número de estratégias metacognitivas de organização e planejamento dos estudos, após o treinamento em comparação com o grupo controle. Não houve diferença significativa nas medidas pré e pós-teste em relação ao número médio de acertos nos simulados de vestibular, motivação e hábitos de estudo. O treinamento se mostrou eficaz na ampliação de recursos metacognitivos dos sujeitos do grupo experimental, porém, não se observou diferença entre os grupos nas medidas de avaliação de desempenho nos simulados de vestibular.

Biografia do Autor

Maria Gabriela Ramos Ferreira, Universidade da Região de Joinville (Univille)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (1992). Mestre em Saúde e Meio Ambiente pela Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Especialista em Neuropsicologia pelo Conselho Federal de Psicologia. Docente do Departamento de Psicologia - Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Neuropsicóloga na Clínica Fazendo Eu Aprendo, Joinville – SC.

Ian Carlos Hübner, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Psicologia pela Universidade da Região de Joinville (2017), é aluno do programa de pós graduação - Mestrado - em Neurociências na Universidade Federal de Santa Catarina com início em 2018. Vinculado ao Laboratório de Neuroplasticidade/LANEP - Departamento de Ciências Morfológicas - CCB/UFSC, colaborando na linha de pesquisa Plasticidade no Sistema Nervoso: Aspectos Moleculares e Celulares.

Referências

Akturk, A. O., & Sahin, I. (2011). Literature review on metacognition and its measurement. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 15, 3731-3736.

Almeida, L. S. (2002). Facilitar a aprendizagem: ajudar aos alunos a aprender e a pensar. Psicologia escolar e educacional, 6(2), 155-165.

Andretta, I., da Silva, J. G., Susin, N., & Freire, S. D. (2010). Metacognição e Aprendizagem: como se relacionam? Psico, 41(1), 7-13.

Aranha, G. (2006). Jogos Eletrônicos como um conceito chave para o desenvolvimento de aplicações imersivas e interativas para o aprendizado. Ciências & Cognição, vol. 7.

Aranha, G. (2011). O processo de consolidação dos jogos eletrônicos como instrumento de comunicação e de construção de conhecimento. Ciências & Cognição, 3, 21-62.

Boruchovitch, E. (1999). Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional. Psicologia: reflexão e crítica, 12(2), 361-376.

Boruchovitch, E. (2001). Algumas estratégias de compreensão em leitura de alunos do ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, 5(1), 19-25.

Boruchovitch, E. (2007). Aprender A Aprender: Propostas De Intervenção Em Estratégias De Aprendizagem learning To Learn: Intervention Proposals In Learning Strategies. ETD-Educação Temática Digital, 8(2), 156-167.

Corso, H. V., Sperb, T. M., Jou, G. I. de, & Salles, J. F. (2013). Metacognição e funções executivas: relações entre os conceitos e implicações para a aprendizagem. Psicologia: teoria e pesquisa, 29(1), 21-29.

Dantas, C., & Rodrigues, C. C. (2013). Estratégias metacognitivas como intervenção psicopedagógica para o desenvolvimento do automonitoramento. Revista Psicopedagogia, 30(93), 2026-2035.

Dunlosky, J., Rawson, K. A., Marsh, E. J., Nathan, M. J., & Willingham, D. T. (2013). Improving students’ learning with effective learning techniques: Promising directions from cognitive and educational psychology. Psychological Science in the Public Interest, 14(1), 4-58.

Flavell, J. H. (1979). Metacognition and cognitive monitoring: A new area of cognitive–developmental inquiry. American psychologist, 34(10), 906-911.

Gazzaniga, M. S., & Heatherton, T. F. (2005). Ciência Psicológica: Mente, cérebro e comportamento. Porto Alegre: Artmed.

Jou, G. I. D., & Sperb, T. M. (2006). A metacognição como estratégia reguladora da aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 19, n. 2 (2006), 177-185.

Marini, J. A. da S., & Joly, M. C. R. A. (2008). A leitura no Ensino Médio e o uso das estratégias metacognitivas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 8(2), 505-522.

Neves, E. R. C., Silva, L. L. V., Freitas, E. B. de A., Menezes, E. B. de A., & Novais, R. L. (2011). Estratégias de aprendizagem de alunos do ensino superior. Acta Científica, 20(2), 91-102.

Perassinoto, M. G. M., Boruchovitch, E., & Bzuneck, J. A. (2013). Estratégias de aprendizagem e motivação para aprender de alunos do Ensino Fundamental. Avaliação psicológica, 12(3), 351-359.

Pocinho, M. M. F. D. D. (2010). Psicologia, cognição e sucesso escolar: concepção e validação dum programa de estratégias de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica, 23, 362-373.

Ribeiro, C. (2003). Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica, 16(1), 109-116.

Rodrigues, D. G., & Pelisoli, C. (2008). Ansiedade em vestibulandos: um estudo exploratório. Revista de Psiquiatria Clínica, 35(5), 171-177.

Rodrigues, M. C., Alves, M. A. P., Almeida, R. D., & Silva, R. D. L. M. (2014). Intervenção em habilidades cognitivas e metacognitivas de leitura em alunos do Programa de Educação Tutorial–PET. Psicologia: teoria e prática, 16(1), 181-190.

Rotta, N. T. (2016). Introdução. (pp. 3-8) In: Rotta, N. T; Ohlweiler, L.; Riesgo, R. S. (Org.). Transtornos da aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed.

Santrock, John W. (2009). A abordagem de processamento da informação. In Santrock, John W.. Psicologia Educacional. (Cap. 8, pp. 262-300) São Paulo: Mcgraw-hill.

Schacter, D. L. & Wagner, A. D. (2014). Aprendizado e memória. In Kandel, Eric R. et al. (Org.). Princípios de neurociências. (Cap. 65. p. 1256-1272) Porto Alegre: AMGH.

Shaughnessy, J. J., Zechmeister, E. B. & Zechmeister, J. S. (2012). Metodologia de pesquisa em psicologia. Porto Alegre: AMGH.

Soares, A. B., & Martins, J. S. R. (2010). Ansiedade dos estudantes diante da expectativa do exame vestibular. Paidéia, 20(45), 57-62.

Souza, L. F. N. I. (2010). Estratégias de aprendizagem e fatores motivacionais relacionados. Educar em Revista, (36), 95-107.

Stenberg, R. J. (2010). Psicologia Cognitiva. São Paulo: Cengage Learning.

Teixeira, A. R., & Alliprandini, P. M. (2013). Intervenção no uso de estratégias de aprendizagem diante de dificuldades de aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 17(2), 279-288.

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Ferreira, M. G. R., & Hübner, I. C. (2021). Estratégias de aprendizagem para preparação em vestibular: eficácia de um treinamento de estratégias metacognitivas com alunos do último ano do ensino médio. Ciências & Cognição, 26(1). Recuperado de https://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1630

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles