Violência Doméstica e a relação com a Inteligência Executiva

Autores

  • Leonardo Naves dos Reis Universidade do Estado do Amazonas
  • Luciana Aparecida Cavalin Universidade de São Paulo
  • Brenda Alice Andrade Vidigal
  • Solana Nunes Vieira
  • Edson Arthur Scherer
  • Carla Aparecida Arena Ventura
  • Zeyne Alves Pires Scherer

Palavras-chave:

Violência doméstica, violência contra a mulher, violência por parceiro íntimo, função executiva, inteligência

Resumo

A violência é um fenômeno multifacetado, considerado problema de saúde pública. Com o intuito de encontrar explicações, estudos têm sido realizados a partir de conceitos neurobiológicos, e considera-se que a cognição possa estar relacionada com o desfecho da agressão. Este estudo apresenta como objetivo comparar as médias de Quociente de Inteligência Executiva de sujeitos que cometeram agressão às parceiras com a média daqueles que não perpetraram agressão. O estudo possui abordagem quantitativa de natureza descritiva, analítica e exploratória, realizado em um município no interior de São Paulo, em que foram analisados dois diferentes perfis de casais. O primeiro grupo foi composto por casais cuja mulher registrou boletim de ocorrência contra o parceiro masculino e o segundo grupo foi formado por casais autodeclarados harmoniosos de acordo com suas percepções. Foram analisadas as características sociodemográficas e a ocorrência de violência física entre os grupos, além da comparação entre as médias de Quociente de Inteligência Executiva dos parceiros masculinos. Houve diferença de 8% nas médias de Quociente de Inteligência Executiva na categoria violência física leve e diferença de 13% na categoria violência física grave. Presume-se possível relação entre as funções executivas e o desfecho de violência doméstica.

Biografia do Autor

Leonardo Naves dos Reis, Universidade do Estado do Amazonas

Professor na Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA), Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Segurança Pública da Escola Superior de Ciências Sociais (ESO) – Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Luciana Aparecida Cavalin, Universidade de São Paulo

Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Mestre em Enfermagem Psiquiátrica pela Universidade de São Paulo. Atua como psicólogo do Instituto Federal de São Paulo e doutoranda do programa de Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (USP).

Brenda Alice Andrade Vidigal

Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Amazonas.

Solana Nunes Vieira

Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Amazonas.

Edson Arthur Scherer

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestre em Saúde Mental pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP) e Doutor em Patologia Experimental pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP). Atualmente é médico psiquiatra do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP).

Carla Aparecida Arena Ventura

Graduada em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, graduação em Direito pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, especialização em Administração pela Universidade de São Paulo, mestrado em Direito Internacional pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e doutorado em Administração pela Universidade de São Paulo. Atua como professora titular do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas (EERP-USP).

Zeyne Alves Pires Scherer

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia (UFES), Doutor e Mestre em Enfermagem Psiquiátrica (EERP-USP). Atua como professora Associada e Chefe do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Referências

Aranha, G. (2006) Jogos Eletrônicos como um conceito chave para o desenvolvimento de aplicações imersivas e interativas para o aprendizado. Ciências & Cognição, vol. 7.

Aranha, G. (2011). O processo de consolidação dos jogos eletrônicos como instrumento de comunicação e de construção de conhecimento. Ciências & Cognição, 3, 21-62.

Beltrão, K. I., & Alves, J. E. D. (2009). A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, 39(136), 125-156.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde (2012). Resolução 466/12. Dispõe sobre pesquisas com seres humanos. Brasília.

Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República (2011). Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília. Disponível: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/politica-nacional-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres

Conselho Federal de Psicologia (2003). Resolução nº 002, de 24 de março de 2003. Define e regulamenta o uso, a elaboração e a comercialização de testes psicológicos e revolga a resolução CFP nº 025/2001. Brasília. Disponível: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2003/03/resolucao2003_02_Anexo.pdf.

Diamond, A. (2013). Executive functions. Rev Psychol. 64, 135–168. Recuperado de doi: 10.1146/annurev-psych-113011-143750.

Dias, N.M., Menezes, A. & Seabra, A.G. (2010). Alterações das funções executivas em crianças e adolescentes. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 1(1), 80-95. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2010v1n1p80.

Ferreira, L.O. & Zanini, D. S. (2013). A importância do tempo na avaliação da função executiva e inteligência de crianças e adultos. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 13(2) 48-62. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/view/11238.

Gomes, N.P., Diniz, N.M.F., Camargo, C.L. & Silva, M.P. (2012). Homens e mulheres em vivência de violência conjugal: características socioeconômicas. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33(2), 109-116. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000200016.

Granjeiro, I. & Costa, l. F. (2014). Gênero, violência conjugal recíproca e interação sistêmica do casal: interpretação da fala de um juiz. Direito em Ação, 12(1), 15-46. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.18837/1518-9562/direito.acao.v12n1p15-51.

Hallal, P.C., Tenório, M.C.M., Tassitano, R.M., Reis R.S., Carvalho, Y.M., Cruz D.K.A., Damascena, W. & Malta, D. C. (2010). Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: percepção de usuários e não usuários. Cad. Saúde Pública, 26(1), 70-78. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100008.

Kweon, S.S., Choi, J.S., Lim, H.S., Kim, J.R., Kim, K.Y., Ryu, S.Y., Lee, S.D., Im, H.K. & Kwon, J.W. (2009). A community-based case-control study of behavioral factors associated with scrub typhus during the autumn epidemic season in South Korea. The American journal of tropical medicine and hygiene. 80(3), 442-446. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19270296.

Leite, F. M. C, Amorim, M. H. C., Wehrmeister, F. C. & Gigante, D. P. (2017). Violência contra a mulher em Vitoria, Espirito Santo, Brasil. Revista de Saúde Pública, 51(33), 1-12. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006815.

Lindner, S. R., Coelho, E. B. S., Bolsoni, C. C., Rojas, P. F. & Boing, A. F. (2015). Prevalência de violência física por parceiro íntimo em homens e mulheres de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo de base populacional. Caderno de Saúde Pública, 31(4), 815-826. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00159913.

Mathias, A.K.R.A., Bedone, A.J., Osis, M.J.D. & Fernandes, A.M.S (2013). Prevalência da violência praticada por parceiro masculino entre mulheres usuárias da rede primária de saúde do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ginecologia Obstétrica, 35(4), 185-191. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032013000400009.

Minayo, M.C.S. (2007). A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 1259-1267. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500015.

Moraes, C.L., Hasselmann, M.H. & Reichenheim, M.E. (2002). Adaptação transcultural para o português do instrumento “Revised Conflict Tactics Scales (CTS2)” utilizado para identificar violência entre casais. Cad. Saúde Pública Rio de Janeiro 18(1), 163-176. Recuperado de doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000100017.

Nascimento, E. (2004). Escala de Inteligência Wechsler para Adultos: Manual David Weschsler; Adaptação e padronização de uma amostra brasileira. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Organização das Nações Unidas. (1995). A Carta Internacional dos Direitos Humanos: Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995|2004. (pp. 3- 87). Ficha Informativa sobre Direitos Humanos n°. 2.

Organização Mundial da Saúde & Organização Pan-Americana de Saúde. (2012). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência (pp. 1-94). Recuperado de http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/3661/Prevencao%20da%20violencia%20sexual%20e%20parceiro%20intimo.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Pagano, M. & Gauvreau, K. (2010). Princípios de bioestatística. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Pasinato, W. (2016). Dez anos da Lei Maria da Penha: o que queremos comemorar? Sur.- Rev. Inter. de Direitos Humanos, 13(24), 155-163. Recuperado de http://cdhpf.org.br/artigos/dez-anos-de-lei-maria-da-penha-o-que-queremos-comemorar/

Siever, L. J. (2008). Neurobiology of Aggression and Violence. Am J Psychiatry, 165(4), 429-442. doi: 10.1176/appi.ajp.2008.07111774.

Schoorl, J. Rijn, S.V., Wied, M., Goozen, S. V. & Swaab, H. (2017). Boys with Oppositional Defiant Disorder/Conduct Disorder Show Impaired Adaptation During Stress: An Executive Functioning Study. Child Psychiatry Hum Dev. Recuperado de doi: 10.1007/s10578-017-0749-5.

Silva, A.C.L.G., Coelho, E.B.S. & Moretti-Pires, R.O. (2014). O que se sabe sobre o homem autor de violência contra a parceira íntima: uma revisão sistemática. Revista Panam Salud Publica, 35(4) 278-283. Recuperado de https://www.scielosp.org/article/rpsp/2014.v35n4/278-283.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Recuperado de https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf.

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Reis, L. N. dos, Cavalin, L. A., Vidigal, B. A. A., Vieira, S. N., Scherer, E. A., Ventura, C. A. A., & Scherer, Z. A. P. (2021). Violência Doméstica e a relação com a Inteligência Executiva. Ciências & Cognição, 26(1). Recuperado de https://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1638

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles