Registros de memória: um estudo acerca de aspectos cognitivos pós-internação em UTI

Autores

  • Rody Costa Oliveira Escola Estadual de Saúde Pública Cândido Santiago - Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO)
  • Aline Dias Martins Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO)
  • Ana Paula Cordeiro de Menezes Silveira Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO).

Palavras-chave:

comprometimento cognitivo, unidade de terapia intensiva, síndrome pós cuidados intensivos, estimulação cognitiva, psicologia.

Resumo

Existem evidências sobre as consequências de curto e longo prazo, de doenças críticas, a partir da internação do paciente em unidade de terapia intensiva (UTI). Mesmo após a alta, o indivíduo pode manifestar sequelas significativas que prejudicam a manutenção de sua qualidade de vida, no que diz respeito às capacidades físicas, cognitivas e psicológicas, fenômeno atualmente conhecido como Síndrome Pós-Cuidados Intensivos (Post-Intensive Care Syndrome - PICS). O estudo buscou avaliar a prevalência de comprometimento cognitivo relacionado a outros fatores inerentes à internação em pacientes sobreviventes da UTI. Trata-se de uma pesquisa de coorte, de caráter retrospectivo e abordagem quanti-qualitativa. Foram analisados dados de pacientes internados em UTI, que passaram por avaliação especializada e realizaram os testes de rastreio Montreal Cognitive Assessment e Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão. A maior parte dos indivíduos apresentou comprometimento cognitivo após internação e se evidenciou que a memória tem principal impacto dentre os aspectos cognitivos mais afetados. O presente estudo tem potencial de contribuir para o conhecimento a respeito de fatores cognitivos relacionados à PICS e suas repercussões. Ademais, a psicologia da saúde e hospitalar tem papel importante como meio de prevenir e/ou minimizar os efeitos da síndrome.

Biografia do Autor

Rody Costa Oliveira, Escola Estadual de Saúde Pública Cândido Santiago - Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO)

Graduada em Psicologia pela Universidade de Brasília (UNB) e Psicóloga Especialista em Urgência e Trauma pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde realizada no Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO).

Aline Dias Martins, Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO)

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC) e Psicóloga Especialista em Urgência e Trauma pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde realizada no Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO).

Ana Paula Cordeiro de Menezes Silveira, Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (HUGO).

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás e mestre em Psicologia Intensivista pela Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva.

Referências

Azoulay, E., Vincent, J. L., Angus, D. C., Arabi, Y. M., Brochard, L., Brett, S. J., ... & Ely, E. W. (2017). Recovery after critical illness: putting the puzzle together - a consensus of 29. Critical care, 21(1), 296.

Aranha, G. (2006) Jogos Eletrônicos como um conceito chave para o desenvolvimento de aplicações imersivas e interativas para o aprendizado. Ciências & Cognição, vol. 7.

Aranha, G. (2011). O processo de consolidação dos jogos eletrônicos como instrumento de comunicação e de construção de conhecimento. Ciências & Cognição, 3, 21-62.

Catolé, M., Lima, C. B., Silva, S. O. P. (2016). Estresse nas unidades de terapia intensiva. Temas em Saúde. v. 16, n. 3, p 264-286.

da Silva, W. P., & Gomes, I. C. O. (2017). Atuação do psicólogo na unidade de terapia intensiva: uma revisão integrativa da literatura. Psicologia e Saúde em debate, 3(2), 44-52.

de Azevedo, J. R. A., Montenegro, W. S., Rodrigues, D. P., Souza, S. C. D. C., Araujo, V. F., de Paula, M. P., ... & Mendonça, A. V. (2017). Long-term cognitive outcomes among unselected ventilated and non-ventilated ICU patients. Journal of intensive care, 5(1), 18.

Dias, L. B., Gritti, C. C., Lobo, S. M., Lamari, N. M., & Bianchin, M. A. (2017). Funcionalidade e complicações em pacientes gravemente enfermos reinternados no hospital. Arquivos de Ciências da Saúde, 24(2), 60-64.

Dorothy, W., Howell, D. (2016). What can psychologists do in intensive care? Icu Management & Practice, 16 (4), 242-244.

Freitas, S., Simoes, M. R., Marôco, J., Alves, L., & Santana, I. (2012). Construct validity of the Montreal cognitive assessment (MoCA). Journal of the International Neuropsychological Society, 18(2), 242-250.

Fontela, P. C., Abdala, F. A. N. B., Forgiarini, S. G. I., & Forgiarini Jr, L. A. (2018). Qualidade de vida de sobreviventes de um período de internação na unidade de terapia intensiva: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 30(4), 496-507.

Giacomoni, C. H. (2004). Bem-estar subjetivo: em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia, 12(1), 43-50.

Jackson, J., Ely, E. W., Morey, M. C., Anderson, V. M., Siebert, C. S., Denne, L. B., ... & Schiro, E. (2012). Cognitive and physical rehabilitation of ICU survivors: results of the RETURN randomized, controlled pilot investigation. Critical care medicine, 40(4), 1088.

Nasreddine, Z. S., Phillips, N. A., Bédirian, V., Charbonneau, S., Whitehead, V., Collin, I., ... & Chertkow, H. (2005). The Montreal Cognitive Assessment, MoCA: a brief screening tool for mild cognitive impairment. Journal of the American Geriatrics Society, 53(4), 695-699.

Needham, D. M., Davidson, J., Cohen, H., Hopkins, R. O., Weinert, C., Wunsch, H., ... & Brady, S. L. (2012). Improving long-term outcomes after discharge from intensive care unit: report from a stakeholders' conference. Critical care medicine, 40(2), 502-509.

Pandharipande, P. P., Girard, T. D., Jackson, J. C., Morandi, A., Thompson, J. L., Pun, B. T., ... & Moons, K. G. (2013). Long-term cognitive impairment after critical illness. New England Journal of Medicine, 369(14), 1306-1316.

Pergher, G. K., Grassi-Oliveira, R., Ávila, L. M. D., & Stein, L. M. (2006). Memória, humor e emoção. Revista de psiquiatria do Rio Grande do Sul, 28(1), 61-68.

Rawal, G., Yadav, S., & Kumar, R. (2017). Post-intensive care syndrome: an overview. Journal of translational internal medicine, 5(2), 90-92.

Robinson, C. C., Rosa, R. G., Kochhann, R., Schneider, D., Sganzerla, D., Dietrich, C., ... & Menezes, S. F. D. (2018). Qualidade de vida pós-unidades de terapia intensiva: protocolo de estudo de coorte multicêntrico para avaliação de desfechos em longo prazo em sobreviventes de internação em unidades de terapia intensiva brasileiras. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 30(4), 405-413.

Schewinsky, S. R., & Ghiringhello, L. (2002). O processo de conscientização do déficit de memória na pessoa portadora de lesão cerebral. Acta Fisiátrica, 9(3), 109-116.

Secchin, L. D. S. B. (2006). UTI: onde a vida pulsa. Epistemo-somática, 3(2), 223-230.

Shehabi, Y., Bellomo, R., Reade, M. C., Bailey, M., Bass, F., Howe, B., ... & Sedation Practice in Intensive Care Evaluation (SPICE) Study Investigators and the ANZICS Clinical Trials Group. (2012). Early intensive care sedation predicts long-term mortality in ventilated critically ill patients. American journal of respiratory and critical care medicine, 186(8), 724-731.

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Oliveira, R. C., Martins, A. D., & de Menezes Silveira, A. P. C. (2021). Registros de memória: um estudo acerca de aspectos cognitivos pós-internação em UTI. Ciências & Cognição, 26(1). Recuperado de https://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1655

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles